sicnot

Perfil

Cultura

Ana Moura participa em tributo a Prince dia 13 nos Estados Unidos

A cantora portuguesa Ana Moura vai participar num espectáculo internacional de tributo ao músico norte-americano Prince no dia 13 em St. Paul, Minneapolis, nos Estados Unidos, revelou hoje a editora.

Seis meses depois da morte de Prince, a família do músico organiza esta homenagem com a presença ainda de artistas próximos do compositor e produtor, como Ana Moura, com quem privou e atuou em diferentes ocasiões em Portugal.

Stevie Wonder, Christina Aguilera, Chaka Khan, Anita Baker, John Mayer e os músicos da New Power Generation 3rdeyegirl - as duas bandas fundadas por Prince -, são outros artistas que integrarão o espectáculo "Prince - The Official Tribute", no Xcel Energy Center, em St. Paul, Minneapolis.

O espectáculo acontecerá numa altura em que a casa e o estúdio de Prince, conhecidos como Paisley Park, em Chanhassen (Minesota), abrem portas ao público para visitas guiadas.

Prince morreu a 21 de abril, aos 57 anos, em consequência de uma overdose de analgésicos opióides, tendo sido encontrado sem vida em Paisley Park, a propriedade que integra a casa e estúdio de gravação que construiu.

A intenção é que Paisley Park se transforme numa espécie de museu, já que poderão ainda ser vistos centenas de objetos dos arquivos pessoais do músico, como instrumentos, prémios e vestuário.

Por causa da participação no tributo no dia 13, Ana Moura remarcou o concerto que tinha agendado naquele dia para o teatro José Lúcio da Silva, em Leiria, para o dia 19.

Lusa

  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.