sicnot

Perfil

Cultura

Depeche Mode no festival Nos Alive 2017

© Ints Kalnins / Reuters

Os britânicos Depeche Mode vão atuar em julho de 2017 no festival Nos Alive, em Algés, onde apresentarão um novo álbum, foi hoje anunciado.

Tal como aconteceu em 2012 em Paris, a banda anunciou hoje, numa conferência de imprensa em Milão (Itália), que vai editar um novo álbum na primavera, intitulado "Spirit", e que haverá uma nova digressão europeia, que passará por Portugal.

A 11ª edição do Alive decorrerá em Algés de 06 a 08 de julho de 2017. Os Depeche Mode regressam a este festival onde atuaram em 2013, quando editaram o álbum "Delta Machine".

Os concertos da anterior digressão dos Depeche Mode somaram 2,5 milhões de espectadores.

A nova digressão, baptizada de "Global Spirit Tour", começa em maio e passará ainda pela Alemanha, Reino Unido, Suíça, Itália, França, Espanha, Rússia, Ucrânia, Polónia e Roménia.

Na conferência de imprensa, o vocalista, Dave Gahan, contou que o grupo passou os últimos anos a escrever e a gravar este álbum, que ainda não está terminado.

Os Depeche Mode, uma das referências da 'new wave' pop eletrónica dos anos 1980, são formados por Dave Gahan, Martin Gore e Andy Fletcher.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.