sicnot

Perfil

Cultura

Aos 11 anos compôs uma ópera que vai estrear em Viena

Concerto para violino composto por Alma Deutscher, tocado em agosto de 2015 pela Orquestra Filarmónica de Israel.

YouTube

Os seus instrumentos preferidos são o piano, o violino e a corda de saltar. Graças a eles, Alma Deutscher compôs sonatas, concertos e mesmo uma ópera que será em breve representada e tocada em Viena, pouco antes de celebrar 12 anos.

Música desde os dois anos, compositora desde os seis, a pequena inglesa diz com um sorriso que "se fosse velho senhor com uma barba seria levada mais a sério", cita a agência France Press.

Mas Alma acredita que este preconceito vai mudar, depois de a capital da música clássica, terra de Mozart, Schubert e tantos outros, ter programado a sua "Cinderela" para as festas de Ano Novo, produzida por uma associação austríaca dedicada a novos talentos.

A estreia desta ópera de duas horas está prevista para 29 de dezembro, com Alma ao piano e ao violino a acompanhar músicos com o triplo da sua idade.

A ação decorre em Transylvania, um país imaginário habitado por músicos inventados como Antonin Yellowskin - o preferido de Alma. Conta a história de uma jovem compositora que oferece uma melodia ao seu príncipe, um poeta. A soprano Anna Voshege é uma das duas meias-irmãs rivais da heroína, umas "divas pretensiosas", diz a autora.

Alma, filha de um linguista e músico amador, vive no sul de Londres, onde os seus pais organizam a sua escolaridade em casa. Compôs aos seis anos a sua primeira sonata para piano, aos sete anos a pequena ópera "O varredor de sonhos" e, aos nove anos um concerto para violino.

Alma que não escapa à comparação a Mozart, que compôs a primeira ópera aos 11 anos, em 1767.

"Prefiro não ser comparada a ninguém e escrever a minha própria música, ser apenas a pequena Alma", diz. "Porque contentar-me em reescrever Mozart seria demasiado aborrecido".

  • "Nobel é um incentivo para toda uma nação"
    1:19

    Mundo

    O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos recebeu ao início da tarde na Noruega o prémio pelo trabalho que desenvolveu junto das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, FARC. As cerimónias são este sábado e marcadas pela ausência do Nobel da Literatura, Bob Dylan.

  • Os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa
    1:55

    Football Leaks

    Com o escândalo dos agentes de futebol a dar que falar, o Expresso revela este sábado os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa. O nome da empresa de que é administrador, a Energy Soccer, surge na investigação em transferências de jogadores que envolvem o Futebol Clube do Porto num conflito de interesses.

  • Sol e calor ficam para o Natal
    1:50

    País

    Com o Natal à porta, o sol teima em ficar um pouco por todo o país. Até a norte as temperaturas estão altas para esta época do ano com o distrito do Porto a rondar os 18 graus.

  • A história da guerra em Alepo
    7:43
  • Uma "cidade fantasma" na Letónia
    3:10