sicnot

Perfil

Cultura

Aos 11 anos compôs uma ópera que vai estrear em Viena

Concerto para violino composto por Alma Deutscher, tocado em agosto de 2015 pela Orquestra Filarmónica de Israel.

YouTube

Os seus instrumentos preferidos são o piano, o violino e a corda de saltar. Graças a eles, Alma Deutscher compôs sonatas, concertos e mesmo uma ópera que será em breve representada e tocada em Viena, pouco antes de celebrar 12 anos.

Música desde os dois anos, compositora desde os seis, a pequena inglesa diz com um sorriso que "se fosse velho senhor com uma barba seria levada mais a sério", cita a agência France Press.

Mas Alma acredita que este preconceito vai mudar, depois de a capital da música clássica, terra de Mozart, Schubert e tantos outros, ter programado a sua "Cinderela" para as festas de Ano Novo, produzida por uma associação austríaca dedicada a novos talentos.

A estreia desta ópera de duas horas está prevista para 29 de dezembro, com Alma ao piano e ao violino a acompanhar músicos com o triplo da sua idade.

A ação decorre em Transylvania, um país imaginário habitado por músicos inventados como Antonin Yellowskin - o preferido de Alma. Conta a história de uma jovem compositora que oferece uma melodia ao seu príncipe, um poeta. A soprano Anna Voshege é uma das duas meias-irmãs rivais da heroína, umas "divas pretensiosas", diz a autora.

Alma, filha de um linguista e músico amador, vive no sul de Londres, onde os seus pais organizam a sua escolaridade em casa. Compôs aos seis anos a sua primeira sonata para piano, aos sete anos a pequena ópera "O varredor de sonhos" e, aos nove anos um concerto para violino.

Alma que não escapa à comparação a Mozart, que compôs a primeira ópera aos 11 anos, em 1767.

"Prefiro não ser comparada a ninguém e escrever a minha própria música, ser apenas a pequena Alma", diz. "Porque contentar-me em reescrever Mozart seria demasiado aborrecido".

  • Primeiro-ministro holandês liga a Costa para explicar palavras de Dijsselbloem
    2:23

    País

    António Costa pediu que Djisselbloem desaparecesse da Presidência do Eurogrupo. Após esta tomada de posição, o primeiro-ministro holandês ligou para Costa na semana passada a dar explicações. Contudo, o primeiro-ministro português não recua e volta a dizer que Dijsselbloem não tem condições para continuar, na sequência das declarações sobre copos e mulheres. Os eurodeputados do Partido Popular Europeu reforçaram também esta terça-feira o pedido de demissão.

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45

    País

    Há um surto de hepatite A em Portugal. Desde janeiro, 105 pessoas foram diagnosticadas na região de Lisboa e Vale do Tejo, um número superior aos casos contabilizados em todo o país nos últimos 40 anos. O surto terá começado na Holanda e está a atingir quase toda a Europa.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Novo vídeo do Daesh mostra crianças a treinar para matar
    3:35
  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho

  • Trump propõe cortes orçamentais para pagar muro

    Mundo

    O Presidente dos Estados Unidos está a propor cortes de milhões de dólares no orçamento para que os contribuintes norte-americanos, e não o México, paguem o muro a construir na fronteira entre os dois países.

  • Tecnologia permite a tetraplégico mexer mão e braço

    Mundo

    Um homem que ficou tetraplégico num acidente voltou a mover-se com a ajuda da tecnologia e apenas usando o pensamento, num projeto de investigadores dos Estados Unidos divulgado esta terça-feira na revista especializada em medicina The Lancet.