sicnot

Perfil

Cultura

Aos 11 anos compôs uma ópera que vai estrear em Viena

Concerto para violino composto por Alma Deutscher, tocado em agosto de 2015 pela Orquestra Filarmónica de Israel.

YouTube

Os seus instrumentos preferidos são o piano, o violino e a corda de saltar. Graças a eles, Alma Deutscher compôs sonatas, concertos e mesmo uma ópera que será em breve representada e tocada em Viena, pouco antes de celebrar 12 anos.

Música desde os dois anos, compositora desde os seis, a pequena inglesa diz com um sorriso que "se fosse velho senhor com uma barba seria levada mais a sério", cita a agência France Press.

Mas Alma acredita que este preconceito vai mudar, depois de a capital da música clássica, terra de Mozart, Schubert e tantos outros, ter programado a sua "Cinderela" para as festas de Ano Novo, produzida por uma associação austríaca dedicada a novos talentos.

A estreia desta ópera de duas horas está prevista para 29 de dezembro, com Alma ao piano e ao violino a acompanhar músicos com o triplo da sua idade.

A ação decorre em Transylvania, um país imaginário habitado por músicos inventados como Antonin Yellowskin - o preferido de Alma. Conta a história de uma jovem compositora que oferece uma melodia ao seu príncipe, um poeta. A soprano Anna Voshege é uma das duas meias-irmãs rivais da heroína, umas "divas pretensiosas", diz a autora.

Alma, filha de um linguista e músico amador, vive no sul de Londres, onde os seus pais organizam a sua escolaridade em casa. Compôs aos seis anos a sua primeira sonata para piano, aos sete anos a pequena ópera "O varredor de sonhos" e, aos nove anos um concerto para violino.

Alma que não escapa à comparação a Mozart, que compôs a primeira ópera aos 11 anos, em 1767.

"Prefiro não ser comparada a ninguém e escrever a minha própria música, ser apenas a pequena Alma", diz. "Porque contentar-me em reescrever Mozart seria demasiado aborrecido".

  • "Fiz coisas de que me envergonho"
    2:31

    Grande Reportagem SIC

    Carlos Queiroz, ex-selecionador de Portugal, dá-nos uma entrevista forte e transparente. Entrevistámo-lo no Dubai, um lugar que a investigação da SIC coloca no centro do mapa do escândalo do GES/BES. Aqui antecipamos a Grande Reportagem da próxima semana.

    Exclusivo online