sicnot

Perfil

Cultura

Teatro São Luiz convida público a ser solidário com "bilhete suspenso"

O Teatro Municipal São Luiz (TMSL), em Lisboa, lança oficialmente o projeto "bilhete suspenso", convidando os portugueses a comparticiparem entradas em espectáculos para pessoas com menos recursos, depois de um período de ensaios deste modelo.

"A ideia é simples, mas as pessoas ainda não estão alertadas para ela. Já vendemos cerca de cem bilhetes suspensos, mas, até ao final da temporada, ficaria contente se chegássemos aos 500 bilhetes", disse a diretora do TMSL, Aida Tavares, à agência Lusa.

Qualquer cidadão pode comprar um bilhete no São Luiz, por sete euros (o teatro suporta o restante valor, outros sete euros), que fica suspenso na bilheteira para usufruto de pessoas que são apoiadas por entidades associadas ao teatro municipal.

Aida Tavares contou que teve conhecimento de uma iniciativa semelhante na Turquia, no Festival de Teatro de Istambul, e quis adaptá-la para a realidade portuguesa.

"Fiquei bastante comovida com a ideia e queria muito pô-la em prática no São Luiz. No fundo é um ato isolado de alguém que pratica solidariedade e ninguém fica a saber quem deu o bilhete a quem", contou.

Os beneficiários destes bilhetes suspensos são pessoas apoiadas ou ligadas a associações com atividade em Lisboa, como a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV), a Associação Coração Amarelo, cuja intervenção se centra no combate à solidão dos mais idosos, ou a Albergues Nocturnos de Lisboa, de apoio a pessoas sem abrigo.

Aida Tavares referiu que no período experimental do bilhete suspenso percebeu que havia procura por parte das associações para diferentes espectáculos da programação do São Luiz.

"É uma parceria de solidariedade entre o público e o teatro, a pensar em pessoas que são apoiadas por associações em quem confiamos", disse.

Lusa

  • Incêndios em Portugal - um mês depois
    9:10

    Reportagem Especial

    Regressar a casa para refazer a vida é tudo o que querem as famílias a quem o fogo levou quase tudo, há cerca de um mês. Contudo, esse regresso não tem sido fácil. Depois dos incêndios, famílias e empresas ainda têm de vencer as burocracias. A Reportagem Especial deste sábado regressa a Seia, onde arderam mais de 70 casas de primeira habitação e onde a vida de muitos parece ter entrado num impasse.

  • CIP contra 600€ de salário mínimo, ameaça boicatar iniciativas do governo
    1:28

    Economia

    O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) está contra o aumento do salário mínimo para 600€. Em entrevista conjunta à Antena1 e ao Jornal de Negócios, o presidente António Saraiva considerou a proposta "uma luta partidária" dos comunistas com o Bloco de Esquerda" e ameaça boicotar a presença em iniciativas publicas, promovidas pelo executivo.