sicnot

Perfil

Cultura

Jean-Michel Jarre regressa com "Oxygène 3", 40 anos depois

© Jean-Paul Pelissier / Reuters

O músico francês Jean-Michel Jarre edita hoje "Oxygène 3", álbum que prossegue a viagem encetada há 40 anos, com o seu primeiro sucesso, "Oxygène", publicado em França a 2 de dezembro de 1976.

"Não gosto muito de aniversários, mas quando estava a gravar 'Eletrónica', há dois anos, fiz uma peça, a atual 'Oxygène 19', que me fez pensar o que poderia ser 'Oxygène', se o tivesse composto agora", escreveu Jean-Michel Jarre no site oficial de apresentação do novo álbum.

"Tomei, por isso, os 40 anos do primeiro como 'deadline' para compor um novo capítulo". A ideia era fazer "uma nova viagem", mantendo "a referência original", mas "sem a reinterpretar", como em 2006, de acordo com o pioneiro da música eletrónica 'pop' e da 'new age', referindo-se à edição comemorativa de há dez anos.

O novo álbum tem assim "uma parte mais negra e outra mais luminosa", em paralelo com as faces A e B do vinil original, e mantém uma "aproximação minimalista", tendo em conta os meios usados na conceção anterior.

"Algumas sequências estão construídas apenas sobre um ou dois acordes, como no primeiro volume", escreve o compositor, na apresentação do novo trabalho.

O músico também quis manter a capa de "Oxygène", concebida pelo artista francês Michel Granger, que, em 1976, Jarre já sentira "adequado para a música que estava a compor".

"Oxygène 3" recupera assim a imagem original, "apenas como se tivesse sido fotografada de outro ângulo", o que também está de acordo com o tipo de aproximação que Jean-Michel Jarre diz ter seguido para a criação "do novo capítulo musical".

Há dez anos, o músico assinalou os 30 anos de "Oxygène" com uma reinterpretação do primeiro álbum, e fez uma digressão que, pela primeira vez, passou por Portugal, em 2008, com dois concertos, nos coliseus de Lisboa e do Porto.

Os 20 anos de "Oxygène" deram origem ao lançamento de "Oxygène 7-13", em 1997.

Jean Michel Jarre nasceu em Lyon, há 68 anos, teve formação clássica em música, foi guitarrista de bandas rock como os Mystère 4 e The Dustbins e, em 1968, ingressou no Grupo de Investigação Musical da antiga rádio e televisão pública ORTF, dirigido pelo compositor Pierre Schaeffer (1910-1995), nome fundador da música concreta, especialista em eletrónica e acústica.

As preocupações de Schaeffer - que também se estendiam à ecologia emergente e ao anti-nuclear - marcaram Jarre, que escreveu então a sua primeira peça, "Happiness is a sad song" (1969), e fez o seu primeiro disco, "La Cage/Erosmachine" (1971).

Até à gravação de "Oxygène", em 1976, manteve-se desconhecido, produziu outros artistas, compôs para publicidade e cinema, concebeu música eletrónica para bailado, na Ópera de Paris, gravou discos como "Deserted Palace" (1972).

Depois, tudo mudou. "Oxygène", o álbum instrumental que gravara em casa com sintetizadores, revelar-se-ia um sucesso, com mais de 12 milhões de exemplares vendidos, primeiros lugares nos 'tops', prémios na Europa e nos Estados Unidos.

Os seus concertos, ricos em efeitos visuais, passaram a mobilizar multidões e chegaram às páginas do Guiness.

A apresentação do segundo álbum, "Equinoxe", em 1978, reuniu um milhão de pessoas, a de "Rendez-Vous", em 1986, juntou 1,3 milhões. Em 1990, no dia da Bastilha, em Paris, foram ouvi-lo 2,5 milhões, número superado em Moscovo, em 1997, num concerto com 3,5 milhões de espectadores.

Em 2006, Jarre atuou no deserto. Levou ao Saara "Water Live", projeto que o liga à UNESCO, assim como a iniciativa "Educação para todos".

"The Concerts in China" e "Magnetic Fields" (1981), "Zoolook" (1984), "Revolutions" (1986), "Waiting for Cousteau" (1990), "Chronologie" (1993), "Metamorphoses" (2000), "Geometry Of Love" (2003) são outros álbuns que marcaram a sua carreira.

"Oxygène 3" é editado hoje, pela Sony, em CD, vinil e digital, a par de uma caixa com a trilogia - "Oxygène", "Oxygène 7-13" e "Oxygène 3" -, e de uma edição de luxo com os três álbuns, em CD e vinil, e um livro sobre esta "viagem" de 40 anos.

Jean-Michel Jarre vai apresentar o novo álbum ao vivo, em Paris, no próximo dia 12.

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35

    País

    A data para as próximas eleições autárquicas já gerou consenso. 1 de outubro é a data pedida pelos vários partidos ouvidos esta segunda-feira por António Costa. Na próxima quinta-feira, no Conselho de Ministros, o dia de ir às urnas vai ser escolhido.