sicnot

Perfil

Cultura

Teatro da Cornucópia vai inventariar património reunido ao longo de 43 anos

M\303\201RIO CRUZ

O Teatro da Cornucópia, que anunciou o encerramento no sábado, ao fim de 43 anos de existência, vai proceder à inventariação do seu património e decidir o futuro dos seus trabalhadores, disse hoje à agência Lusa fonte da companhia.

Contactada pela agência Lusa, Tânia Trigueiros, da produção do Teatro da Cornucópia, indicou que essas serão algumas das questões a debater nas conversações que ainda continuam com o Ministério da Cultura.

"Temos um património de guarda-roupa, adereços e cenários reunidos ao longo destas décadas que é preciso inventariar e decidir para onde vão", indicou a produtora do teatro fundado por Luís Miguel Cintra em 1973, em conjunto com Jorge Silva Melo.

No sábado, a companhia realizou um último espetáculo de despedida do público com um Recital de Apollinaire e foi visitada pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e pelo ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, que conversaram com a direção da companhia sobre as possibilidades de evitar o encerramento.

Na segunda-feira, a direção da companhia - Luís Miguel Cintra e Cristina Reis - emitiu um comunicado, esclarecendo que a decisão do encerramento era "incontornável" face ao quadro de financiamento insuficiente para levar a cabo os seus projetos.

"O Teatro da Cornucópia acaba no princípio do ano, na realidade já acabou. Com a mudança do Governo, a situação não se alterou. Disse o senhor ministro [da Cultura] que o assunto estava a ser acompanhado, estudado. Haverá por isso um próximo encontro com os representantes do Ministério da Cultura", assinala o mesmo comunicado.

No documento, acrescenta: "Não se tratará, portanto, agora de um estatuto de exceção, porque somos provavelmente exceção. A empresa dissolve-se nos próximos dias, dependendo apenas de procedimentos legais que terá de cumprir".

Contactada pela agência Lusa, fonte do gabinete do ministro declarou que o Ministério da Cultura "não faz comentários" sobre a decisão da companhia, mas indicou que a reunião com a Cornucópia ainda se irá realizar esta semana, na sequência do pedido de apoio para resolver as questões ligadas ao património, trabalhadores e jurídicas sobre o seu fim.

Luís Miguel Cintra, figura emblemática da histórica companhia, falou por várias vezes, nos últimos anos, nas dificuldades financeiras da companhia para continuar o seu trabalho dentro da filosofia do projeto.

No comunicado divulgado na segunda-feira pela Cornucópia, a questão dos apoios financeiros é abordada, quanto aos "sucessivos cortes", acrescentando que o projeto manteve-se devido a uma revisão das escolhas de programação, formas de produção e apoios da Câmara Municipal de Lisboa e dos Amigos da Cornucópia.

"A evidência, porém, da situação limite das nossas possibilidades de assegurar, neste quadro de financiamento, o cumprimento de novos projetos e, tal como dissemos na divulgação do espetáculo apresentado neste último sábado, considerámos como incontornável o fecho da empresa Teatro da Cornucópia", escrevem Luís Miguel Cintra e Cristina Reis, no comunicado.

Acrescentam que a empresa irá dissolver-se nos próximos dias, "dependendo apenas de procedimentos legais que terá de cumprir".

Lusa

  • Afinal, o Teatro da Cornucópia pode não fechar
    2:28

    Cultura

    Ao contrário do que foi anunciado, o Teatro da Cornucópia pode não acabar já. Para este sábado estava previsto o último espetáculo que acabou por contar com duas presenças inesperada. A do ministro da Cultura que se comprometeu a procurar soluções e a do Presidente da República.

  • O fim dos 43 anos de estórias do Teatro da Cornucópia
    2:31

    Cultura

    O teatro da Cornucópia, uma das mais importantes companhias de teatro do país, vai fechar portas 43 anos depois. A última cena no teatro do Bairro Alto é já este sábado. Quem o anunciou foi o mentor e um dos diretores, o ator e encenador Luís Miguel Cintra.

  • Teatro da Cornucópia fecha portas

    Cultura

    O Teatro da Cornucópia, uma das companhias mais importantes do país, vai fechar as portas já este sábado. Um dos diretores da companhia, Luís Miguel Cintra, ator e encenador, já tinha anunciado o afastamento do palcos no ano passado, depois de ter feito Hamlet em 2015.

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45
  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.

  • Relação de Portugal com Angola é "insubstituível"
    1:00

    País

    Paulo Portas considera que a relação de Portugal com Angola é insubstituível. Numa entrevista ao Jornal de Negócios, o ex vice-primeiro-ministro defende que o país deve ser profissional no relacionamento político com Luanda.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Tecnologia permite a tetraplégico mexer mão e braço

    Mundo

    Um homem que ficou tetraplégico num acidente voltou a mover-se com a ajuda da tecnologia e apenas usando o pensamento, num projeto de investigadores dos Estados Unidos divulgado esta terça-feira na revista especializada em medicina The Lancet.