sicnot

Perfil

Cultura

Teatro da Cornucópia vai inventariar património reunido ao longo de 43 anos

M\303\201RIO CRUZ

O Teatro da Cornucópia, que anunciou o encerramento no sábado, ao fim de 43 anos de existência, vai proceder à inventariação do seu património e decidir o futuro dos seus trabalhadores, disse hoje à agência Lusa fonte da companhia.

Contactada pela agência Lusa, Tânia Trigueiros, da produção do Teatro da Cornucópia, indicou que essas serão algumas das questões a debater nas conversações que ainda continuam com o Ministério da Cultura.

"Temos um património de guarda-roupa, adereços e cenários reunidos ao longo destas décadas que é preciso inventariar e decidir para onde vão", indicou a produtora do teatro fundado por Luís Miguel Cintra em 1973, em conjunto com Jorge Silva Melo.

No sábado, a companhia realizou um último espetáculo de despedida do público com um Recital de Apollinaire e foi visitada pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e pelo ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, que conversaram com a direção da companhia sobre as possibilidades de evitar o encerramento.

Na segunda-feira, a direção da companhia - Luís Miguel Cintra e Cristina Reis - emitiu um comunicado, esclarecendo que a decisão do encerramento era "incontornável" face ao quadro de financiamento insuficiente para levar a cabo os seus projetos.

"O Teatro da Cornucópia acaba no princípio do ano, na realidade já acabou. Com a mudança do Governo, a situação não se alterou. Disse o senhor ministro [da Cultura] que o assunto estava a ser acompanhado, estudado. Haverá por isso um próximo encontro com os representantes do Ministério da Cultura", assinala o mesmo comunicado.

No documento, acrescenta: "Não se tratará, portanto, agora de um estatuto de exceção, porque somos provavelmente exceção. A empresa dissolve-se nos próximos dias, dependendo apenas de procedimentos legais que terá de cumprir".

Contactada pela agência Lusa, fonte do gabinete do ministro declarou que o Ministério da Cultura "não faz comentários" sobre a decisão da companhia, mas indicou que a reunião com a Cornucópia ainda se irá realizar esta semana, na sequência do pedido de apoio para resolver as questões ligadas ao património, trabalhadores e jurídicas sobre o seu fim.

Luís Miguel Cintra, figura emblemática da histórica companhia, falou por várias vezes, nos últimos anos, nas dificuldades financeiras da companhia para continuar o seu trabalho dentro da filosofia do projeto.

No comunicado divulgado na segunda-feira pela Cornucópia, a questão dos apoios financeiros é abordada, quanto aos "sucessivos cortes", acrescentando que o projeto manteve-se devido a uma revisão das escolhas de programação, formas de produção e apoios da Câmara Municipal de Lisboa e dos Amigos da Cornucópia.

"A evidência, porém, da situação limite das nossas possibilidades de assegurar, neste quadro de financiamento, o cumprimento de novos projetos e, tal como dissemos na divulgação do espetáculo apresentado neste último sábado, considerámos como incontornável o fecho da empresa Teatro da Cornucópia", escrevem Luís Miguel Cintra e Cristina Reis, no comunicado.

Acrescentam que a empresa irá dissolver-se nos próximos dias, "dependendo apenas de procedimentos legais que terá de cumprir".

Lusa

  • Afinal, o Teatro da Cornucópia pode não fechar
    2:28

    Cultura

    Ao contrário do que foi anunciado, o Teatro da Cornucópia pode não acabar já. Para este sábado estava previsto o último espetáculo que acabou por contar com duas presenças inesperada. A do ministro da Cultura que se comprometeu a procurar soluções e a do Presidente da República.

  • O fim dos 43 anos de estórias do Teatro da Cornucópia
    2:31

    Cultura

    O teatro da Cornucópia, uma das mais importantes companhias de teatro do país, vai fechar portas 43 anos depois. A última cena no teatro do Bairro Alto é já este sábado. Quem o anunciou foi o mentor e um dos diretores, o ator e encenador Luís Miguel Cintra.

  • Teatro da Cornucópia fecha portas

    Cultura

    O Teatro da Cornucópia, uma das companhias mais importantes do país, vai fechar as portas já este sábado. Um dos diretores da companhia, Luís Miguel Cintra, ator e encenador, já tinha anunciado o afastamento do palcos no ano passado, depois de ter feito Hamlet em 2015.

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14