sicnot

Perfil

Cultura

Competição do Fantasporto 2017 abre com filme nomeado para os Oscares

Fantasporto

A competição do Fantasporto - Festival Internacional de Cinema do Porto abre a 24 de fevereiro com o filme "The Age of Shadows", de Jee-woon Kim, nomeado para os Oscares, revelou esta quarta-feira à Lusa a organização do evento.

Esta "superprodução", que foi "o maior êxito de bilheteira asiático" do 2016, passou também pela Seleção Oficial dos Festivais de Veneza e Toronto, tendo sido indicado como Melhor Filme do Festival de Filadélfia, acrescentam os promotores do Fantasporto, que em 2017 se realiza entre os dias 20 de fevereiro e 05 de março.

A 37.ª edição do evento, que vai apresentar com 125 filmes inéditos de 33 países, recebe também a antestreia mundial de "The Evil Within", o "único e notável" filme do realizador Andrew Getty, que morreu em 2015.

"O realizador, da multimilionária família Getty, faleceu em 2015, sendo este o seu único, e notável, filme finalizado no ano seguinte e logicamente filme-culto, embora ainda inédito em todo o mundo. Será mais um momento muito especial no Fantasporto", descreve a organização.

O Fantas vai, ainda, receber os filmes "Neil Stryker and the Tyrant of Time", "The Attack of the Leatherhosen Zombies", "OMG I'm A Robot", "The Rift", "Seoul Station" e "Tuos".

Quanto aos filmes portugueses em competição, também há antestreias mundiais, nomeadamente de "A Ilha dos Cães","A Floresta das Almas Perdidas" e "Comboio de Sal e Açucar".

De acordo com a organização, estreia ainda a longa-metragem "Rewind", do português Pedro Joaquim e numa produção suíça, e o Prémio de Cinema Português "vai novamente escolher o melhor filme e a melhor escola de cinema".

O Prémio Carreira do Fantasporto vai, em 2017, para o cineasta Ate de Jong, que já esteve no festival em 2016.

"Os seus filmes estão a ser recuperados pela Fox, o que lhes dá o estatuto de filmes-culto. Ate de Jong vai trazer ao festival a sua obra-prima "Drop Dead Fred" (1991) e apresentar em pessoa o seu mais recente filme "Love is Thicker than Water", um misto de imagem real e animação" que também estará em competição, acrescentou o Festival de Cinema.

Segundo a organização, "todos os filmes novos abordam o modo como o real de hoje nos afeta, nomeadamente as guerras ("Bloodlands", da Albânia), o drama dos migrantes ("The Citizen", da Hungria), a realidade das mulheres muçulmanas face ao adultério ("Sins of the Flesh", do Egito, produzido pelo celebrado Youssef Chahine) ou a realidade económica da Europa (o filme grego "Lines")".

A isto, somam-se "reflexões quanto à sustentabilidade do nosso futuro", com o espanhol de ficção científica 'ReAlive' ou o britânico-americano "Division 19" ".

A crítica social à burocracia estará presente em "A Repartição do Tempo", uma "das maiores e mais divertidas superproduções do Brasil deste ano".

"Também em destaque está o cinema de ação de Taiwan, numa retrospetiva rara organizada oficialmente pelo Governo local de Taiwan, com verdadeiros clássicos do género inéditos em Portugal", acrescenta a organização.

A Secção "Mini Me", dedicada ao público infantil e pré-adolescente, é outra das novidades desta edição do Fantasporto, uma produção da Cinema Novo realizada com o apoio do ICA (Ministério da Cultura) e da Câmara Municipal do Porto.

Lusa

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • O ensino à distância em Portugal
    4:12

    País

    Em Portugal, o ensino básico e secundário à distância já conta com 300 alunos e com a preciosa ajuda das novas tecnologias. É através do computador que a escola viaja e acompanha os alunos, alguns com doenças que não os permitem ir às aulas, outros que são atletas de alta competição e que têm a maior parte do tempo ocupado por treinos ou ainda os que fazem parte de famílias itenerantes, como é o caso dos que vivem no circo e andam de terra em terra.

  • Aprender a jogar badminton ao ritmo do samba
    2:54

    Mundo

    No Brasil, a correspondente da SIC foi conhecer um projeto social no Rio de Janeiro que mistura samba e desporto. Um desporto que ainda é pouco praticado mas que tem sido fundamental para transformar a vida de jovens das favelas e para descobrir novos talentos do badminton brasileiro.

    Correspondente SIC