sicnot

Perfil

Cultura

Morreu a atriz Carrie Fisher

Uma foto da atriz, com 16 anos.

Jerry Mosey / AP

A atriz norte-americana Carrie Fisher, que interpretava a personagem de princesa Leia na saga "Star Wars", morreu esta terça-feira aos 60 anos.

"É com profunda tristeza que Billie Lourd confirma a morte da sua adorada mãe, às 08:55 (16:55 em Lisboa) desta manhã.", disse o porta-voz da família. num breve comunicado.

A atriz estava hospitalizada em Los Angeles depois de ter sofrido um ataque cardíaco na passada sexta-feira.

A paragem cardíaca aconteceu durante um voo entre Londres e Los Angeles, cerca de 15 minutos antes de aterrar na cidade californiana.

Carrie Fisher começou no cinema na década de 1970, no filme "Shampoo", de Robert Towne, ao lado de Warren Beatty, mas foi com a primeira trilogia da "Guerra das Estrelas", criada por George Lucas, que se tornou mais conhecida, no papel de princesa Leia.

Ao lado de Harrison Ford e Mark Hamill, Carrie Fisher regressou à série de ficção científica já no novo milénio, com "Guerra das Estrelas: O despertar da força", e estava confirmada a sua participação no oitavo episódio, com estreia para 2017.

  • Costa de Metro de Odivelas para Lisboa para relembrar corrida entre burro e Ferrari
    2:55

    Autárquicas 2017

    António Costa começou hoje o dia de campanha em Odivelas, para uma viagem de Metro até Lisboa, em que recordou a célebre corrida entre um burro e um Ferrari que protagonizou em 1993 quando foi canditado do PS à Câmara de Loures. Foi nesta cidade, onde ontem à noite, que desferiu um violento ataque a Pedro Passos Coelho, acusando-o de transformar o PSD num partido que não é digno de um Estado democrático.

  • O aeroporto de Beja, um "elefante branco" na planície alentejana
    4:33
  • Paciente há 15 anos em estado vegetativo consegue seguir objetos e mexer a cabeça

    Mundo

    Um homem de 35 anos, que ficou em estado vegetativo após um acidente de viação há 15 anos, deu sinais de consciência depois de lhe ter sido aplicada uma nova técnica de estimulação nervosa. Cirurgiões implantaram no paciente um pequeno aparelho que estimula o nervo vago, responsável pela ligação nervosa entre o cérebro e o resto do corpo. A intervenção aconteceu em França e a descoberta foi publicada na revista científica Current Biology.