sicnot

Perfil

Cultura

"Quero estar com a minha filha", foram as últimas palavras de Debbie Reynolds 

© Mario Anzuoni / Reuters

Debbie Reynolds, mãe da atriz Carrie Fisher, morreu esta quarta-feira, apenas um dia depois da filha, Princesa Leia na saga "Star Wars". A morte de Debbie Reynolds está, contudo, a levantar suspeitas. De acordo com o jornal The Telegraph, as últimas palavras da também atriz, proferidas pouco antes de se sentir mal e de ser levada para o hospital foram: "Quero estar com a minha filha".

Debbie Reynolds, protagonista do clássico "Serenata à Chuva", morreu aos 84 anos, alegadamente devido a um Acidente Vascular Cerebral (AVC).

"Ela está agora com Carrie e nós estamos todos de coração partido", afirmou o filho Todd Fisher, a partir do hospital de Cedars-Sinai, em Los Angeles, para onde Debbie Reynolds foi levada de urgência na quarta-feira.

Todd Fisher disse também que o sofrimento pela morte da irmã "foi demasiado" para a mãe. "Ela disse, eu quero estar com a Carrie... E depois partir", contou o filho.

De acordo com as primeiras informações sobre a sua morte, Reynolds ter-se-ia sentido mal em casa do seu filho Todd, quando estavam a tratar do funeral de Carrie.

Joely Fisher, meia-irmã de Carrie e também atriz, escreveu no Twitter pouvo antes da morte ser oficialmente anunciada: "Deus levou a mamã".

Debbie Reynolds tornou-se conhecida pelo papel que desempenhou no filme "Serenata à Chuva" ("Singing in the Rain", de 1952), tendo mais tarde sido nomeada para um Óscar pelo seu desempenho em "Os Milhões de Molly Brown" ("The Unsinkable Molly Brown", de 1964).

A atriz destacou-se nos anos 1950 e 1960 sobretudo em musicais. Além do clássico "Singing in the Rain", que protagonizou ao lado de Gene Kelly e Donald O'Connor, o seu nome figura nos créditos de "I Love Melvin" (1953), "The Tender Trap" (1955) ou "How The West Was Won" (1962).

Posteriormente, a sua carreira passou pela Broadway, tendo trabalhado em peças como "Irene", sem deixar, contudo, de marcar presença em Hollywood, onde deixou a sua marca em "Mother"(1996), "In & Out" ou "Behind the Candelabra" (2013), o seu último trabalho.

  • Younes Abouyaaqoub, o homem mais procurado de Espanha
    1:53
  • Incendiários vão passar o verão com pulseira eletrónica

    País

    Os tribunais vão poder condenar os incendiários a penas de prisão domiciliária, com pulseira eletrónica, durante as épocas de incêndio. A nova lei foi aprovada na semana passada, na Assembleia da República, e aguarda a promulgação do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

  • Costa desafia PSD para pacto depois das autárquicas
    1:14
  • "Trump, deixe-me ajudá-lo a escrever o discurso"
    0:47

    Mundo

    Arnold Schwarzenegger diz que Donald Trump tem o dever moral de se opor ao ódio e ao racismo. Num vídeo publicado nas redes sociais, o ator norte-americano e antigo governador da Califórnia encenou o discurso que Donald Trump devia ter. 

  • Hino da SIC tocado pela viola beiroa
    2:22