sicnot

Perfil

Cultura

"Quero estar com a minha filha", foram as últimas palavras de Debbie Reynolds 

© Mario Anzuoni / Reuters

Debbie Reynolds, mãe da atriz Carrie Fisher, morreu esta quarta-feira, apenas um dia depois da filha, Princesa Leia na saga "Star Wars". A morte de Debbie Reynolds está, contudo, a levantar suspeitas. De acordo com o jornal The Telegraph, as últimas palavras da também atriz, proferidas pouco antes de se sentir mal e de ser levada para o hospital foram: "Quero estar com a minha filha".

Debbie Reynolds, protagonista do clássico "Serenata à Chuva", morreu aos 84 anos, alegadamente devido a um Acidente Vascular Cerebral (AVC).

"Ela está agora com Carrie e nós estamos todos de coração partido", afirmou o filho Todd Fisher, a partir do hospital de Cedars-Sinai, em Los Angeles, para onde Debbie Reynolds foi levada de urgência na quarta-feira.

Todd Fisher disse também que o sofrimento pela morte da irmã "foi demasiado" para a mãe. "Ela disse, eu quero estar com a Carrie... E depois partir", contou o filho.

De acordo com as primeiras informações sobre a sua morte, Reynolds ter-se-ia sentido mal em casa do seu filho Todd, quando estavam a tratar do funeral de Carrie.

Joely Fisher, meia-irmã de Carrie e também atriz, escreveu no Twitter pouvo antes da morte ser oficialmente anunciada: "Deus levou a mamã".

Debbie Reynolds tornou-se conhecida pelo papel que desempenhou no filme "Serenata à Chuva" ("Singing in the Rain", de 1952), tendo mais tarde sido nomeada para um Óscar pelo seu desempenho em "Os Milhões de Molly Brown" ("The Unsinkable Molly Brown", de 1964).

A atriz destacou-se nos anos 1950 e 1960 sobretudo em musicais. Além do clássico "Singing in the Rain", que protagonizou ao lado de Gene Kelly e Donald O'Connor, o seu nome figura nos créditos de "I Love Melvin" (1953), "The Tender Trap" (1955) ou "How The West Was Won" (1962).

Posteriormente, a sua carreira passou pela Broadway, tendo trabalhado em peças como "Irene", sem deixar, contudo, de marcar presença em Hollywood, onde deixou a sua marca em "Mother"(1996), "In & Out" ou "Behind the Candelabra" (2013), o seu último trabalho.

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.