sicnot

Perfil

Cultura

Morreu Cláudio Nunes, dos Corvos

Divulgação

O músico Cláudio Panta Nunes, violoncelista dos Corvos, morreu no domingo, em Lisboa, aos 32 anos, em consequência de um cancro, disse à agência Lusa fonte da empresa de agenciamento.

O músico fazia parte dos Corvos há mais de uma década, mas nos últimos meses estava afastado dos palcos por razões de saúde.

Natural de Sintra, o músico estudou trompete na Sociedade Recreativa e Musical de Almoçageme e prosseguiu os estudos no Conservatório Nacional, onde transitou para violoncelo, e na Escola Superior de Música de Lisboa.

Antes dos Corvos, Cláudio Panta Nunes fez parte da Banda do Exército.

De acordo com a mesma fonte da empresa de agenciamento, os Corvos manterão os concertos já agendados, nomeadamente a 04 de fevereiro, no Centro Cultural Olga Cadaval, em Sintra.

Os Corvos surgiram em 1998 e integravam atualmente Pedro Teixeira Silva (violino), Tiago Flores (violino), Luís Santos (viola d'arco), Cláudio Nunes (violoncelo), Pedro Silva (bateria) e Nuno Correia (baixo).

Têm vários álbuns editados, entre discos de versões e originais, entre o quais "Corvos visitam Xutos" (1999), "Post Scriptum" (2001), "Medo" (2010) e "Corvos convidam" (2015).

Não foram disponibilizadas informações sobre o funeral de Cláudio Panta Nunes.

Lusa

  • Confirmados dois novos casos de legionella

    Legionella

    Dois novos casos de legionella foram esta quarta-feira confirmados. A informação foi avançada em comunicado pela Direção-Geral da Saúde. Tratam-se de duas pessoas com mais de 80 anos, internadas no Hospital São Francisco Xavier e no Egas Moniz, ambas em situação clínica estável.

  • Quem é o novo Presidente do Zimbabué?
    2:15

    Mundo

    Emmerson Mnangagwa é o sucessor de Robert Mugabe que regressou esta quarta-feira da África do Sul, onde estava refugiado. No primeiro discurso, o Presidente do Zimbabué falou de uma nova democracia no país. Mnangagwa, conhecido como crocodilo, é suspeito de atrocidades na guerra civil pós-independência. 

  • Diminuem as hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino
    3:09

    Mundo

    As hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino, desaparecido há 8 dias, começaram a diminuir, uma vez que o chamado "tempo de segurança" já foi ultrapassado. A Marinha portuguesa está a acompanhar o caso do submarino que está desaparecido há oito dias. As hipóteses de salvar os tripulantes vão diminuindo.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44
  • O que aprendemos com secas anteriores?
    32:50