sicnot

Perfil

Cultura

Organização do "Andanças" reconhece ter ficado "fortemente abalada" com incêndio

ANT\303\223NIO JOS\303\211

A organização do festival "Andanças", realizado anualmente em Castelo de Vide, no Alto Alentejo, reconheceu esta quinta-feira ter ficado "fortemente abalada" na sequência do incêndio no estacionamento do certame, em 2016, que destruiu mais de 400 viaturas.

Em comunicado, a Pédexumbo, Associação para a Promoção da Música e Dança, salienta que o fogo deixou "fortemente abalada a sua estrutura humana e a sua capacidade de resposta".

"Ficámos todos, profundamente, afetados. Estamos todos no mesmo barco", lê-se no comunicado dos promotores do festival, que tem sido realizado, nos últimos anos, numa área de 28 hectares nas margens da albufeira de Póvoa e Meadas, no concelho de Castelo de Vide, distrito de Portalegre, acolhendo milhares de festivaleiros portugueses e estrangeiros.

O fogo ocorreu a meio da tarde de 3 de agosto de 2016, num dos parques de estacionamento, a algumas centenas de metros do recinto do festival, acabando por atingir total ou parcialmente 458 viaturas.

No comunicado, a associação defende que devem ser desenvolvidas ações no sentido de "sensibilizar as entidades competentes" para ser "encontrada uma solução" que "defenda o interesse" das pessoas lesadas.

"Desejaríamos que todos pudéssemos ser ressarcidos das perdas materiais que tivemos. Não sendo economicamente possível todos sermos compensados como gostaríamos, que pelo menos possamos todos, em conjunto - pessoas lesadas, PédeXumbo, parceiros, seguradoras e entidades públicas - procurar criar possibilidades concertadas de resolução alargada e colaborativa", lê-se no documento.

Contactada esta quinta-feira pela agência Lusa, a relações públicas do "Andanças", Catarina Serrazina, adiantou que a organização ainda não obteve informações sobre o resultado do inquérito realizado pelo Ministério Público (MP) às causas do fogo.

"Até hoje, ainda não tivemos qualquer informação sobre as conclusões do inquérito do MP", disse.

Fonte da GNR admitiu à Lusa, na altura dos acontecimentos, que o fogo teria tido origem numa viatura, mas, segundo alguns jornais, as causas podem estar relacionadas com um cigarro mal apagado.

A organização do festival indica, por outro lado, que tem desenvolvido iniciativas para angariar verbas e criou uma conta bancária para apoiar os proprietários dos veículos destruídos.

Lusa

  • Outros casos de fuga de prisões portuguesas
    2:58

    País

    Nos últimos cinco anos, 52 reclusos fugiram de cadeias portuguesas, mas foram todos recapturados. Entre 1999 e 2009, fugiram oito reclusos da prisão de Caxias. Em 2005, um homem condenado a 21 anos de prisão fugiu de Coimbra, viajando por França e pela Polónia. Manuel Simões acabou por ser detido no regresso a Portugal.

  • Portugal sem resposta de Moçambique sobre português desaparecido em Maputo
    1:25

    País

    Portugal tem tentado, sem sucesso, obter respostas das autoridades moçambicanas sobre o rapto de um empresário português há sete meses. De acordo com a notícia avançada este domingo pelo jornal Público, uma carta enviada há duas semanas pelo Presidente da República ao homólogo moçambicano não teve resposta. O Governo de Moçambique tem ignorado pedidos de informação das autoridades portuguesas.

  • Táxi capaz de sobrevoar filas de trânsito ainda este ano no Dubai

    Mundo

    É o sonho de muitos que passam horas intermináveis em filas de trânsito. Trata-se de um drone com capacidade para transportar pessoas. "Operações regulares" deste insólito aparelho terão início em julho, no Dubai. O anúncio foi feito pela entidade que gere os transportes da cidade. Apenas um passageiro, com o peso máximo de 100 kg, pode seguir viagem neste táxi revolucionário, capaz de sobrevoar vias congestionadas pelo trânsito.