sicnot

Perfil

Cultura

"Silêncio" de Martin Scorsese estreia em Portugal com programa cultural

© Jonathan Alcorn / Reuters

Conferência, exposições, percursos e tertúlias marcam, até 19 de fevereiro, a estreia em Portugal a 19 de janeiro do filme "Silêncio" do realizador norte-americano Martin Scorsese.

A estreia vai ser acompanhada por várias iniciativas para debater o papel dos jesuítas em Portugal e no mundo, a perseguição religiosa, as relações entre Portugal e o Japão, a arte e a religião", de acordo com uma nota da organização do programa, desenvolvido em cooperação com a Companhia de Jesus.

De 19 de janeiro a 19 de fevereiro vai ser apresentada pela primeira vez, no Museu de São Roque, a carta em que Miguel Carvalho, jesuíta português, torturado a 25 de agosto de 1624, se despede do irmão, Simão Carvalho, na exposição "Japão: a última carta de um mártir".

Miguel Carvalho foi contemporâneo dos portugueses retratados no filme e já foi beatificado.

A 22 de janeiro, o Museu de São Roque promove um "Percurso pelos caminhos de Cristovão Ferreira" para dar a conhecer os locais da Companhia de Jesus, em Lisboa, e a 06 de fevereiro, realiza-se uma visita às peças da coleção que testemunham a presença cristã no Japão e a experiência do martírio.

O Museu do Oriente organiza, na quarta-feira, a conferência "Portugal e o Japão: história de um sucesso malsucedido", com o padre José Frazão, provincial dos Jesuítas em Portugal, o historiador João Paulo Costa e a jornalista Clara Ferreira Alves, com moderação do jornalista Joaquim Franco.

A instituição propõe ainda três visitas guiadas à exposição sobre a presença portuguesa na Ásia, com destaque para peças selecionadas para explorar diferentes perspetivas da história do relacionamento entre Portugal e o Japão, e o seu legado.

A 27 de janeiro, a reitoria da Universidade Nova de Lisboa organiza a tertúlia "Fé: Silêncios e Limites", com Carla Rocha (Rádio Renascença), Henrique Raposo (comentador), Jacinto Lucas Pires (escritor) e o padre jesuíta Pedro Rocha Mendes.

Na livraria FNAC, em Lisboa e no Porto, dois 'urban sketchers' - o padre jesuíta português Nuno Branco e a artista japonesa Kumi Matsukawa - vão apresentar as ilustrações que fizeram nos seus blocos de papel do 'trailer' do filme.

No filme, que o realizador esperou quase 20 anos para concretizar, dois missionários jesuítas portugueses - Sebastião Rodrigues (Andrew Garfield) e Francisco Garupe (Adam Driver) - viajam de Macau para o Japão, no século XVII, em busca do mentor, o padre Cristovão Ferreira (Liam Nesson), para confirmar se o jesuíta, perseguido e torturado pelas autoridades japonesas, renunciou à fé cristã.

Em território nipónico, sob o xogunato de Tokugawa Ieyasu, que baniu o catolicismo e quase todo o contacto com os estrangeiros, os dois jovens religiosos testemunham a perseguição dos japoneses cristãos pelas autoridades.

O filme de Scorsese baseia-se no romance homónimo do japonês Shusaku Endo, publicado em 1966.

Lusa

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14