sicnot

Perfil

Cultura

Cinzas de Carrie Fisher numa urna em forma de comprimido Prozac 

A atriz Meryl Streep no último adeus à amiga Carrie Fisher.

Reed Saxon/ AP

As atrizes Debbie Reynolds e Carrie Fisher, mãe e filha que morreram com um dia de diferença, tiveram funeral conjunto. Uma cerimónia privada realizada no final da semana passada, no Hollywood’s Forest Lawn Memorial Park, em Los Angele. Carrie foi cremada e as suas cinzas foram colocadas numa urna em forma do comprimido Prozac.

O facto gerou controvérsia. O irmão, Todd Fisher, justificou a escolha da família por se tratar de um objeto que a irmã tinha em sua casa e do qual gostava muito.

"Senti que era onde ela gostaria de ficar", afirmou Todd Fisher.

A atriz, que ficou conhecida sobretudo pelo papel de Princesa Leia na trilogia original da "Guerra das Estrelas", foi frequentemente alvo de polémica pelos seus problemas de saúde mental.

Meryl Streep, Penny Marshall, Meg Ryan, Richard Dreyfuss, Buck Henry, Candice Bergen, George Lucas e Gwyneth Paltrow esteviveram no velório e no funeral. Meryl, grande amiga de Carrie, cantou "Happy Days Are Here Again", a música preferida da atriz falecida.

Carrie morreu no dia 27 de dezembro, aos 60 anos, quatro dias depois de um ataque cardíaco a bordo de um avião com destino a Los Angeles. A mãe, Debbie, morreu no dia 28, aos 84 anos, após sofrer um acidente vascular cerebral (AVC).

Debbie tornou-se conhecida pelo papel em "Serenata à Chuva" (1952), tendo mais tarde sido nomeada para um Óscar pelo seu desempenho em "Os Milhões de Molly Brown".

  • A carreira de Debbie Reynolds
    2:41

    Cultura

    Debbie Reynolds morreu aos 84 anos enquanto preparava o funeral da filha, Carrie Fisher. Em 1952, ficou conhecida por contracenar com Gene Kelly e Donald O'Connor em "Serenata à Chuva" e em 1956 foi nomeada para o Óscar de Melhor Atriz, pelo desempenho em "Os Milhões de Molly Brown". A última participação da atriz foi no filme de Steven Soderbergh "Por Detrás do Candelabro", em 2013.

  • "Quero estar com a minha filha", foram as últimas palavras de Debbie Reynolds 

    Cultura

    Debbie Reynolds, mãe da atriz Carrie Fisher, morreu esta quarta-feira, apenas um dia depois da filha, Princesa Leia na saga "Star Wars". A morte de Debbie Reynolds está, contudo, a levantar suspeitas. De acordo com o jornal The Telegraph, as últimas palavras da também atriz, proferidas pouco antes de se sentir mal e de ser levada para o hospital foram: "Quero estar com a minha filha".

  • Costa desvaloriza ameaça e mantém planos de visita a Angola
    2:27

    Economia

    O governo angolano reagiu duramente à acusação do Ministério público portugues contra o vice-presidente de Angola. Luanda diz que a acusação é um sério ataque à República de Angola que pode perturbar as relações entre os dois paises. António Costa desvaloriza a ameaça e mantém os planos de uma visita a Angola na primavera.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.