sicnot

Perfil

Cultura

Romance "As Afinidades Eletivas" de Goethe publicado sexta-feira

O romance "As Afinidades Eletivas", de Johann Wolfgang Goethe (1749-1832), traduzido por Maria Assunção Pinto Correia, com um prefácio e notas do ensaísta João Barrento, é reeditado na sexta-feira, anunciou a editora.

Em declarações à agência Lusa, fonte da Bertrand Editora, que chancela a reedição, afirmou que este é o mesmo texto publicado em 1999 pela Relógio d'Água, o que se justificou pelo facto de a tradução de Maria Assunção Pinto Correia ser "considerada uma referência para esta obra".

"Contudo, é de notar que esta reedição foi revista e atualizada, embora mantenha o antigo acordo ortográfico, por preferência do prefaciador e da tradutora", acrescentou a mesma fonte.

O autor germânico considera este o seu melhor livro, e João Barrento conta no prefácio que o autor, interrogado certo dia por uma leitora, indignada pelo que considerava ser a natureza "imoral" do romance, lhe terá respondido "É pena, pois se trata do meu melhor livro".

Escreve o ensaísta português que Goethe tinha "alguma razão, porque se trata já" da sua última fase, um escritor mais amaduerecido.

João Barrento realça ainda que tudo o que Goethe disse ou escreveu sobre o romance, "e que, aliás, é bastante menos do que sobre outras obras maiores, terá tido a intenção de confundir a crítica e os leitores, serviu uma estratégia de ocultação e um culto do mistério".

"Goethe parece, na verdade, preocupar-se sobretudo em destacar uma 'técnica' composicional e estilística que sustenta as 'forças míticas' em ação no romance, os seus níveis mais ambíguos de sentido", escreve Barrento.

Este romance, que a editora aponta como "brilhante", data de 1805.

"'As Afinidades Eletivas' compreendem a exploração de uma simples presunção, a de que as relações humanas são governadas por forças semelhantes às que atuam em reações químicas, executadas meticulosamente", afirma a Bertrand Editora, que chancela a obra.

No prefácio, João Barrento propõe "um olhar" sobre este título "que terá de ser 'pós-clássico' e que vê o romance como uma obra na qual, além de compromissos pontuais, se explora e valoriza uma nova forma de sensibilidade, já romântica, e uma nova postura perante o mundo, que é obviamente de natureza saturnina e melancólica".

"O campo de ação é, como já o inteligente texto de [filosófo Karl Wilhelm] Solger salientava no século XIX, o do amor, da paixão subjetiva, como 'destino' incontornável do indivíduo moderno".

Para Goethe, refere o ensaísta português, "amor é de facto a força real, não metafórica, e isto é importante para entender 'As Afinidades Eletivas', o que faz mover o universo".

Segundo a editora portuguesa, o romance "destaca os conflitos morais da época, as questões associadas ao matrimónio e apresenta as paixões enquanto determinantes dos nossos atos".

Trata-se, prossegue a Bertrand, de "um romance que nos remete para a história de um casal cujos membros se apaixonam em simultâneo por convidados da sua casa. Um conflito entre paixão e razão que acaba por desembocar numa situação caótica".

Em fevereiro do ano passado, também com prefácio de João Barrento, que assinou a tradução, a Bertrand publicou "Viagem a Itália", obra escrita a partir dos diários de Goethe, descrição da viagem que o autor realizou a Itália, entre 1786 e 1788, e que constituiu uma peça marcante no seu percurso estético e filosófico.

Johann Wolfgang Goethe, realça a editora, "é um dos grandes escritores da literatura europeia".

O escritor irlandês James Joyce incluiu-o no que denominou de "Santíssima Trindade da Escrita na Europa". Os outros dois são Dante Alighieri (1265-1321) e William Shakespeare (1564-1616).

Autor de "Fausto" e de "Werther", Goethe foi um dos mentores do movimento literário germânico "Sturm und Drang" ("Tempestade e Ímpeto", em tradução livre), que postulou alguns dos princípios do movimento estético-filosófico do romantismo.

O escritor, nascido em Frankfurt, viveu sempre da literatura, graças a um contrato que conseguiu com a sua editora, facto raro na época.

Lusa

  • Doze incêndios mobilizam 2.100 operacionais

    País

    Os 12 incêndios que lavram em Portugal esta manhã mobilizam mais de 2.100 operacionais, numa altura em que os fogos de Pedrógrão Grande e Góis estão dados como dominados, mas continuam a mobilizar a maioria dos meios.

  • Seleção de sub-21 precisa de vencer a Macedónia

    Desporto

    A seleção portuguesa de futebol de sub-21 precisa, hoje, de vencer a Macedónia e de marcar pelo menos quatro golos para poder sonhar ainda com a presença nas meias-finais do Europeu da categoria, que decorre na Polónia.

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Metade dos moradores de Sandinha recusaram sair das casas
    3:14
  • Habitantes de Várzeas tentam regressar à normalidade
    2:48
  • Corpos da tragédia em Pedrógão guardados em camião de alimentos
    8:11

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Duarte Nuno Vieira, médico legista, esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, para comentar o que já foi feito e o que falta fazer em Pedrógão Grande, depois de ter sido atingido pelos incêndios. O presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal defendeu que guardar os corpos das vítimas mortais num camião de alimentos foi uma "maneira de solucionar o problema da forma possível", visto que não há espaço no Instituto Nacional De Medicina Legal.

  • Trump volta a garantir que não tentou interferir na investigação do FBI
    0:17

    Mundo

    O Presidente dos EUA reitera que não tentou interferir na investigação do FBI em relação às alegadas interferências da Rússia nas eleições presidenciais. Questionado sobre as gravações das conversas que manteve com o ex-diretor da polícia de investigação, James Comey, Donald Trump prometeu esclarecimentos num futuro breve.

  • "A informação pode ter saído depois da hora do exame de Português"
    1:19

    País

    O presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais diz que é preciso aguardar pelas conclusões do relatório sobre a alegada fuga de informação do exame nacional de Português. Jorge Ascensão defende que a investigação deve causar o mínimo de impacto aos alunos que realizaram a prova.