sicnot

Perfil

Cultura

Espetáculos com poesia de Daniel Faria, Camões e Miguel-Manso no Teatro D. Maria

MANUEL DE ALMEIDA

Três espetáculos, que envolvem a poesia de Daniel Faria, Luís de Camões e Miguel-Manso, vão estar em cena na sala Estúdio do Teatro Nacional D. Maria II, a partir de quinta-feira, no ciclo "Estúdio Poético", foi esta segunda-feira anunciado.

O projeto, apresentado hoje em Lisboa, envolve o criador teatral Pablo Fidalgo, o ator António Fonseca, que declamou "Os Lusíadas" por inteiro, e que aqui surge com o músico Paulo Furtado, The Legendary Tigerman, e a encenadora Susana Vidal com o artista plástico David Oliveira. O segmento dedicado ao autor de "Uma Cidade com Muralha" e "Oxálida", "Daniel Faria", estreia-se na quinta-feira, para ficar em cena até domingo, sucedendo-se "Força Humana", sobre "Os Lusíadas", que sobe a palco de 26 a 29 de janeiro, e, por fim, "Rosto, clareira e desmaio", sobre a obra de Miguel-Manso, de 09 a 12 de fevereiro.

"Daniel Faria" tem por ponto de partida o tema central da vida do poeta, a partilha, "partilha da palavra, da amizade, da poesia e da fé", "mas também a partilha do teatro, onde [Notes:Daniel Faria] encontrou uma linguagem única", lê-se no texto de apresentação da peça. O poeta, que pode ter optado por "uma vida apagada", no mosteiro beneditino de Singeverga, em Santo Tirso, depois de ter concluído o curso de Teologia, definiu toda obra como "uma resposta à palavra de Deus". Nesta criação de Pablo Fidalgo, que também assina o texto, "acende-se" assim a vida do autor de "Homens que São como Lugares Mal Situados". No poeta, que morreu em 1999, aos 28 anos, "existia a necessidade de representar", porque "é a partir da representação que se entende a fé", destaca a apresentação da peça: "A fé é uma forma de fazer e atuar, uma presença, uma atitude. Assim aparece este espetáculo onde os corpos se tornam o arquivo e a memória de gestos de fé, de diferentes formas de dançar, de diferentes formas de perguntar: aceitarás ser tocado? E a vida apagada de Daniel Faria, acende-se".

O espetáculo tem interpretação de Pablo Fidalgo e Tiago Gandra e é uma produção Materiais Diversos, com o Nacional D. Maria II, o Centro Dramático Galego e o Teatro Municipal de Campo Alegre, no Porto."Os Lusíadas", de Luís de Camões, inspiram "Força Humana", que nasce da "urgência da poesia e do desejo de ser, que é próprio do teatro", adianta o D.Maria II. "Mas nasce, tão-só", prossegue o teatro nacional, "porque detemos um imenso património no corpo e nos mecanismos insondáveis da memória de António Fonseca, ator que decorou os oito mil, oitocentos e dezasseis versos do poema e agora dá a possibilidade de, desse vastíssimo acervo", imaginar "todas as declinações possíveis".

O objetivo de António Fonseca é encontrar, na vastidão do poema épico, as pistas da "decifração do Portugal contemporâneo", "ler-lhe nas rimas o fado que transportamos e os riscos que aceitamos correr"."Força humana" tem dramaturgia e interpretação de António Fonseca e José Neves, música de Paulo Furtado, figurinos de Nuno Gama.

É um projeto de Antunes Fidalgo, com o D.Maria, o Centro Cultural Vila Flor, o Centro de Arte de Ovar e o Centro de Artes de Lisboa, com apoio da blablalab AC e dos Artistas Unidos.

A encerrar o ciclo, de 09 a 12 de fevereiro, subirá a cena "Rosto, clareira e desmaio", com encenação de Susana Vidal, que compõe um tríptico sobre um poema de Miguel-Manso, que é uma leitura de "Máscara, mato e morte", de Paulo Valverde.

O resultado é "um espetáculo onde a única fuga possível será encarar todos os mistérios", até ao último, "o da própria morte - única e última clareira do bosque", de acordo com as notas da encenação.A produção é de Natasha Bulha Costa, da B-teatro, com o D.Maria, o apoio da autarquia de Lisboa e do Espaço Gaivotas.

O ciclo "Estúdio Poético" vai ficar em cena de quinta-feira a sábado, às 21:30, e ao domingo, às 16:30.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.