sicnot

Perfil

Cultura

Morreu a escritora britânica de livros infantis Babette Cole

A escritora britânica Babette Cole, que publicou mais de uma centena de livros para a infância, morreu no sábado, aos 67 anos, revelou o editor da Mabecron Books, Ron John.

Descrita pelo editor como "completamente irreverente e que adorava desafiar a autoridade", Babette Cole conta, entre os sucessos literários, os livros "A mamã que pôs um ovo" e "A princesa espertalhona", ambos publicados em Portugal. O primeiro, que tenta explicar de forma humorística como são feitos os bebés, está traduzido em mais de setenta línguas e vendeu cerca de 2,5 milhões de exemplares em todo o mundo, segundo contas feitas no site da escritora. "A princesa espertalhona", publicado em 1986 e no qual a autora subverte os contos de fadas de princesas que vivem felizes depois de casarem com um príncipe encantado, soma 35 mil exemplares vendidos a nível internacional.

Nascida em 1950, na ilha britânica de Guernsey, Babette Cole trabalhou em programas infantis para a BBC, desenhou para outros autores até ter iniciado, na década de 1970, um percurso literário em nome próprio marcado pelo sentido de humor, irreverência e crítica ao que é politicamente correto quando se fala em escrita e ilustração para crianças.

Além daqueles dois títulos, em Portugal estão também publicados "Manual dos rebentos para uso dos pais", "Amor-perfeito", "Cupido" e "A mamã nunca me disse".Entre outros sucessos da autora, inéditos em Portugal, estão "Tarzanna", "The trouble with mum", a série Nungu e "A dose of doctor dog".

Em 2015 ilustrou uma nova edição de "Os cinco na ilha do tesouro", de Enid Blyton.

Lusa

  • Ministra emocionou-se no Parlamento
    2:26

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A ministra da Administração Interna disse esta quarta-feira no Parlamento que está, desde a primeira hora, a recolher, analisar e cruzar todos os dados do incêndio de Pedrógão Grande. Constança Urbano de Sousa emocionou-se diante dos deputados e admitiu que tem ainda muitas dúvidas sobre o que aconteceu. Foi pedido um estudo independente ao funcionamento do sistema de comunicações de emergência e uma auditoria à Secretaria-Geral da Administração Interna, a entidade gestora do SIRESP. A ministra explicoui porquê.

  • "O que mais tem havido nesta altura são respostas precipitadas"
    7:21

    Opinião

    Foi um "debate contigo" o de hoje, no Parlamento, sobretudo no frente-a-frente entre António Costa e Passos Coelho, na opinião de Bernardo Ferrão. O subdiretor de informação da SIC sublinha uma declaração "mortal" do primeiro-ministro, quando este disse que "ninguém quer respostas precipitadas". Por outro lado, a comissão técnica independente pedida pelo PSD pode virar-se contra o próprio partido.

    Bernardo Ferrão

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.