sicnot

Perfil

Cultura

Morreu a escritora britânica de livros infantis Babette Cole

A escritora britânica Babette Cole, que publicou mais de uma centena de livros para a infância, morreu no sábado, aos 67 anos, revelou o editor da Mabecron Books, Ron John.

Descrita pelo editor como "completamente irreverente e que adorava desafiar a autoridade", Babette Cole conta, entre os sucessos literários, os livros "A mamã que pôs um ovo" e "A princesa espertalhona", ambos publicados em Portugal. O primeiro, que tenta explicar de forma humorística como são feitos os bebés, está traduzido em mais de setenta línguas e vendeu cerca de 2,5 milhões de exemplares em todo o mundo, segundo contas feitas no site da escritora. "A princesa espertalhona", publicado em 1986 e no qual a autora subverte os contos de fadas de princesas que vivem felizes depois de casarem com um príncipe encantado, soma 35 mil exemplares vendidos a nível internacional.

Nascida em 1950, na ilha britânica de Guernsey, Babette Cole trabalhou em programas infantis para a BBC, desenhou para outros autores até ter iniciado, na década de 1970, um percurso literário em nome próprio marcado pelo sentido de humor, irreverência e crítica ao que é politicamente correto quando se fala em escrita e ilustração para crianças.

Além daqueles dois títulos, em Portugal estão também publicados "Manual dos rebentos para uso dos pais", "Amor-perfeito", "Cupido" e "A mamã nunca me disse".Entre outros sucessos da autora, inéditos em Portugal, estão "Tarzanna", "The trouble with mum", a série Nungu e "A dose of doctor dog".

Em 2015 ilustrou uma nova edição de "Os cinco na ilha do tesouro", de Enid Blyton.

Lusa

  • As zonas de guerra que o fogo deixou
    3:13

    País

    A chuva finalmente ajudou na luta contra as chamas e o que fica agora é um cenário de devastação no norte e centro do país. Morreram 37 pessoas, arderam centenas de casas e empresas e há críticas severas à falta de meios.

  • Visto do céu, Portugal é um país que se vestiu de negro
    3:28
  • Portugueses usam Facebook para marcar protestos contra incêndios

    País

    Os incêndios que têm acontecido este ano estão a causar revolta entre a população. Por essa razão, estão marcadas, através da rede social Facebook, várias manifestações para os próximos dias um pouco por todo o país. Os portugueses exigem a melhoria do sistema, para que as tragédias deste ano não se voltem a repetir.

  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06
  • "Quem está no Governo tem sérias responsabilidades"
    1:07

    Opinião

    Pacheco Pereira aponta falhas do Estado, dos bombeiros e da Proteção Civil como causa dos incêndios que assolaram o país no passado domingo. O comentador da SIC considera que o Governo tem responsabilidade perante o que aconteceu.

  • Presidente das Indústrias de Madeira diz que fogos estão a afetar o setor
    0:39

    País

    A Associação das Indústrias de Madeira e Mobiliário desvaloriza que os industriais do setor possam comprar madeira mais barata, em resultado dos incêndios florestais. Em entrevista na SIC Notícias, o presidente da associação, Vítor Poças, considera que os fogos estão a prejudicar gravemente a indústria.