sicnot

Perfil

Cultura

Peça de teatro "Diário de Anne Frank" regressa a Oeiras

Michael Conroy

A peça de teatro "O Diário de Anne Frank", da autoria de Éric-Emmanuel Schmitt, vai voltar a estar em cena no Auditório Eunice Muñoz, em Oeiras, depois de ter registado cerca de 5.000 espetadores na primeira temporada.

Depois de 30 sessões e constatando o "sucesso de bilheteira" no espaço de cerca de um mês e meio, o encenador Celso Cleto quis repor a peça de teatro que retrata o dia a dia de uma adolescente alemã, de origem judaica, na altura da Segunda Guerra Mundial.

"A adesão foi fabulosa, sobretudo das escolas, e por isso quisemos continuar, porque é importante que a história, a memória se mantenha viva, e que os miúdos percebam a realidade da altura e como pode assentar nos tempos de hoje que a Europa está a viver", contou à Lusa Celso Cleto. O encenador destacou a versão de Éric-Emmanuel Schimtt, "um grande dramaturgo", que "soube ir buscar muito bem o que havia de interesse no diário, sem a carga brutal emocional".

Apesar de a história já ser muito conhecida, Celso Cleto reconheceu o caráter "intemporal" da mesma e considerou que deve continuar a ser contada."O livro toda a gente conhece, mas a história desperta sempre interesse e deve ser passada como uma mensagem atual dos tempos modernos", sustentou.Alexandra Leite, Augusto Portela, Carmen Santos, Helena Veloso, Igor Sampaio, Rita Cleto, Sérgio Silva e Tiago Careto compõe o elenco, completado por Joana Coelho, aluna do Teatro Experimental de Cascais escolhida através de 'casting', que interpreta Anne Frank .A peça vai estar em cena no Auditório Eunice Muñoz até 19 de março, com espetáculos de quarta-feira a sábado, às 21:30, e ao domingo, às 16:00, havendo ainda sessões especiais para as escolas.

Lusa

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.