sicnot

Perfil

Cultura

Johnny Depp à beira da falência por gastar 2 milhões de euros por mês

© Mario Anzuoni / Reuters

Uma empresa que administrava as contas de Johnny Depp disse esta terça-feira que o ator está à beira de falir. Segundo a mesma empresa, os problemas financeiros de Depp são causados por um estilo de vida que custa quase dois milhões de euros por mês.

De acordo com The Management Group, durante 20 anos, o ator de 53 anos gastou cerca de 1.8 milhões de euros por mês.

A TMG anunciou que o ator gastou mais de 69 milhões de euros em 14 casas e 2.7 milhões para disparar um canhão com as cinzas do escritor Hunter S. Thompson. O ator também precisava de 12 armazéns para guardar recordações de Hollywood.

A empresa abriu um processo contra Johnny Depp por uma dívida que não foi paga. Isto depois de o ator processar a empresa por "má gestão" das suas finanças, com empréstimos sem a sua autorização e ocultação dos seus problemas financeiros.

Contudo, a TMG garantiu que o ator é "o responsável pelos seus problemas de dinheiro". "Ele recusou viver dentro das suas possibilidades, apesar dos vários avisos acerca da sua condição financeira."

Na ação submetida no Tribunal de Los Angeles, a empresa descreveu ainda os gastos do ator:

16.7 milhões de euros num iate de 45 metros;
3.7 milhões de euros na gravação de um disco, que como a empresa diz acabou por ser "um falhanço";
2.7 milhões de euros para disparar um canhão com as cinzas de Hunter S. Thompson;
279 mil euros por mês para manter uma equipa de 40 funcionários;
186 mil euros por mês em aviões privados;
139 mil euros por segurança;
27 mil euros a comprar e a importar vinho.

Johnny Depp aparecerá no final de 2017 uma vez mais como Jack Sparrow, em "Piratas das Caraíbas: Homens Mortos Não Contam Histórias".

  • Fãs de Bruno Mars passaram a noite ao relento
    2:35
  • Comandante da Proteção Civil confiante nos meios de combate aos incêndios
    1:56

    País

    Depois das falhas apontadas ao sistema de comunicações SIRESP durante os incêndios do ano passado, o cComandante operacional da Proteção Civil diz que não há meios de comunicação infalíveis. Duarte Costa acredita que este verão será mais calmo do que anterior e contabiliza já mais de 2000 incêndios desde maio que não foram notícia.