sicnot

Perfil

Cultura

Último concerto dos Black Sabbath com casa cheia em Birmingham

Amy Harris / AP

Foi quase meio século a ultrapassar limites de decibéis. A banda de Ozzy Osbourne, pioneira do heavy metal, saiu ontem dos palcos com uma audiência de 16 mil fãs em Birmigham, onde tudo começou em 1968.

O último concerto aconteceu uma semana após a morte do teclista Geoff Nicholls, aos 68 anos com um cancro de pulmão.

Em palco estiveram três dos quatro elementos fundadores da banda, o guitarrista Tony Iommi, 68 anos, o vocalista Ozzy Osbourne, 68 anos e o baixista Geezer Butler, 67 anos. Juntaram-se o baterista Tommy Clufetos e o teclista Adam Wakeman.

"Obrigado, boa noite, muito obrigado", foram as últimas palavras de Ozzy Osbourne em palco enquanto vocalista dos Black Sabbath.

  • O papel da religião no quotidiano
    24:57
  • Jane Goodall iniciou palestra com sons semelhantes aos dos chimpanzés
    2:18

    País

    A investigadora Jane Goodall esteve esta quinta-feira em Lisboa para participar numa conferência da National Geographic. A primatóloga começou o seu discurso com sons semelhantes aos dos chimpanzés. Numa entrevista à SIC, Goodall falou sobre os chimpanzés e sobre o trabalho que continua a desenvolver em todo o mundo, em prol do ambiente, dos animais e das pessoas. 

  • NATO vai aumentar luta contra o terrorismo

    Mundo

    O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse que os aliados da NATO concordaram esta quinta-feira em aumentar a luta contra o terrorismo e em "investir mais e melhor" na Aliança.

  • Trump empurra líder do Montenegro para ficar à frente na fotografia

    Mundo

    A reunião de líderes dos Estados-membros da NATO, que decorreu esta quinta-feira em Bruxelas, na Bélgica, ficou marcada por um momento insólito em que o Presidente norte-americano não quis abdicar de ficar no melhor plano possível nas fotografias de grupo. Nem que para isso tenha sido necessário empurar o líder de outro país.

  • O humor de John Kerry nas críticas a Trump
    0:40

    Mundo

    John Kerry criticou as ligações de Donald Trump com a Rússia durante um discurso de abertura, na Universidade de Harvard. O ex-secretário de Estado norte-americano disse, em tom de brincadeira, que se os jovens querem vingar na política, devem primeiro aprender a falar russo.