sicnot

Perfil

Cultura

13 galerias portuguesas na ARCOmadrid

A Feira Internacional de Arte Contemporânea realiza-se entre 22 e 26 de fevereiro e reúne mais de 200 galerias

Os organizadores da Feira Internacional de Arte Contemporânea ARCOmadrid 2017, que se realiza de 22 a 26 de fevereiro, querem levar mais compradores e negociantes internacionais à edição deste ano, que terá a presença de 13 galerias portuguesas.

"Este ano, as galerias internacionais mostraram mais interesse" do que em edições anteriores e "um dos objetivos é trazer mais compradores internacionais", afirmou hoje o diretor da ARCOmadrid, Carlos Urroz, na sessão de apresentação do certame na capital espanhola.

A 36.ª edição da ARCOmadrid terá a Argentina como país convidado e pretende ter como eixo central "a qualidade e a sua consolidação como feira de descobrimento de novos talentos e conteúdos para colecionadores e profissionais".

A organização a cargo da Feira de Madrid (IFEMA) reuniu um total de 200 galerias de 24 países, sendo 66,5% galerias estrangeiras, com destaque para as latino-americanas (40% do segmento internacional).

O certame tem um orçamento de 4,5 milhões de euros e destina cerca de 20% a programas de promoção no estrangeiro e convidados internacionais que irão levar a Madrid mais de 250 colecionadores de 44 países, 150 diretores de instituições de arte e outras personalidades, segundo números fornecidos pela IFEMA.

Na ARCOmadrid 2017 vão estar 13 galerias portuguesas: 3+1 Arte Contemporânea, Baginski Projetos, Cristina Guerra, Filomena Soares, Graça Brandão, Múrias Centeno, Pedro Cera, Vera Cortés, Madragoa, Pedro Alfacinha e Kubik, de Lisboa; Quadrado Azul, do Porto; e ainda, Mário Sequeira, de Braga.

A feira vai manter a secção temática "Opening", um espaço dedicado a projetos e artistas emergentes com uma trajetória de, no máximo, sete anos que irão apresentar "uma visão da cena contemporânea mais jovem".

Os jovens artistas portugueses vão estar em lugar de destaque, com três num total de 18 selecionados: Carme Nogueira (Kubic), Luís Lázaro Matos (Madragoa) e von Calhau! (Pedro Alfacinha).Incluído no programa da ARCOmadrid 2017, pelo sexto ano consecutivo, está o Encontro de Museus da Europa e da Ibero-américa, com o objetivo de "impulsionar sinergias entre representantes de museus, comissários e outros profissionais".

O português João Fernandes, diretor-adjunto responsável pela área da Conservação, Investigação e Difusão do Museu Nacional Centro de Arte Rainha Sofia, é um dos responsáveis pela condução da reunião dos 30 diretores e outros representantes dos museus presentes.No ano passado, Lisboa recebeu, na Fábrica Nacional de Cordoaria, entre 26 a 29 de maio, a ARCOlisboa, um evento que se volta a realizar na capital portuguesa este ano, de 18 a 21 de maio próximos.

LUSA

  • O papel da religião no quotidiano
    24:57
  • Jane Goodall iniciou palestra com sons semelhantes aos dos chimpanzés
    2:18

    País

    A investigadora Jane Goodall esteve esta quinta-feira em Lisboa para participar numa conferência da National Geographic. A primatóloga começou o seu discurso com sons semelhantes aos dos chimpanzés. Numa entrevista à SIC, Goodall falou sobre os chimpanzés e sobre o trabalho que continua a desenvolver em todo o mundo, em prol do ambiente, dos animais e das pessoas. 

  • NATO vai aumentar luta contra o terrorismo

    Mundo

    O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse que os aliados da NATO concordaram esta quinta-feira em aumentar a luta contra o terrorismo e em "investir mais e melhor" na Aliança.

  • Trump empurra líder do Montenegro para ficar à frente na fotografia

    Mundo

    A reunião de líderes dos Estados-membros da NATO, que decorreu esta quinta-feira em Bruxelas, na Bélgica, ficou marcada por um momento insólito em que o Presidente norte-americano não quis abdicar de ficar no melhor plano possível nas fotografias de grupo. Nem que para isso tenha sido necessário empurar o líder de outro país.

  • O humor de John Kerry nas críticas a Trump
    0:40

    Mundo

    John Kerry criticou as ligações de Donald Trump com a Rússia durante um discurso de abertura, na Universidade de Harvard. O ex-secretário de Estado norte-americano disse, em tom de brincadeira, que se os jovens querem vingar na política, devem primeiro aprender a falar russo.