sicnot

Perfil

Cultura

Feiticeiro da Calheta: um filme sobre o Bailinho da Madeira com Alberto João Jardim

Página oficial do Facebook

O filme "Feiticeiro da Calheta", sobre o poeta popular madeirense João Gomes de Sousa, autor do "Bailinho da Madeira", conta com Alberto João Jardim, como intérprete, e tem antestreia marcada para o dia 03 de março, na Calheta.

João Gomes de Sousa, poeta popular, pobre, analfabeto, autor da canção "Bailinho da Madeira", foi uma figura popular, no arquipélago, e o filme, dirigido por Luís Miguel Jardim, centra-se em particular nos anos de 1940/50 e na primeira Festa da Vindima, em 1938.

Foi nessa edição que Gomes de Sousa tocou e cantou, pela primeira vez, o "Bailinho da Madeira", no âmbito da atuação do Rancho Folclórico do Arco da Calheta, que ganhou então o primeiro prémio da festa.

Cerca de uma década mais tarde, em 1949, o cantor Maximiano de Sousa, conhecido por Max, então o mais famoso dos artistas madeirenses, tomou a letra e gravou a canção de Gomes de Sousa em Lisboa, sem conhecimento do autor, como evoca o "Feiticeiro da Calheta", o filme.

O filme conta com Alberto João Jardim entre os intérpretes, no papel de um pastor. "Ter Alberto João Jardim num filme meu era um desejo de há muito", confessou o realizador, explicando que o ex-presidente do Governo Regional da Madeira já tinha mostrado interesse em participar numa obra sua, desde a sua anterior produção, "Águas".

"Desde logo demonstrou interesse em saber do papel e quais as falas que lhe caberiam", explicou o realizador.No filme, o antigo líder do PSD-Madeira é um pastor que se cruza com a filha do Feiticeiro da Calheta, a quem diz que "as crianças da Madeira, um dia, terão melhores condições de vida".É "um papel feito à medida" de Jardim, afirma o realizador, que associa o político à "transformação da região".

Luís Miguel Jardim diz que o tema central do filme, que conta com cerca de 400 atores e figurantes, "passa muito" pela exploração da população da Madeira, durante o tempo de vida do autor do "Bailinho".João Gomes de Sousa nasceu na Calheta, na zona oeste da Madeira, em 1895, e morreu em 1974.

A longa-metragem "O Feiticeiro da Calheta" tem antestreia marcada para 03 de março, na Casa das Mudas, na Calheta, pelas 20:30, e estreia no dia 05 de março, no Casino da Madeira, "com entradas apenas por convite", informou o realizador, Luís Miguel Jardim.

As sessões regulares, pagas, realizam-se de 10 a 12 de março, no casino da Madeira e, depois, de 17 a 26 de março, há várias sessões na Casa das Mudas.No início de abril, "O Feiticeiro da Calheta" fica em exibição no Centro Cultural John dos Passos, na Ponta do Sol.

Lusa

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.