sicnot

Perfil

Cultura

Maior presença portuguesa este ano na ARCOmadrid e duas galerias em estreia

A representação portuguesa da edição deste ano da ARCOmadrid será maior, com um total de 13 galerias, duas delas - Madragoa e Pedro Alfacinha, ambas de Lisboa - em estreia no certame dedicado à arte contemporânea.

No ano passado, foram 11 as galerias portuguesas que participaram na feira e, nesta 36ª edição, que decorre de 22 a 26 de fevereiro, a representação nacional sobe para 13 "devido à qualidade dos projetos", sublinhou hoje a organização, em conferência de imprensa, em Lisboa.

A maior parte das galerias portuguesas participa no programa geral: 3+1 Arte Contemporânea, Baginski, Cristina Guerra Contemporary Art, Filomena Soares, Graça Brandão, Pedro Cera, Vera Cortês, de Lisboa, e Múrias Centeno e Quadrado Azul, que também têm sede no Porto, bem como Mário Sequeira, de Braga.

No programa Opening -- dedicado a galerias criadas há menos de sete anos - participam mais três: Kubik Gallery, do Porto, e, os estreantes Madragoa e Pedro Alfacinha, de Lisboa.

Tanto Carlos Urroz, diretor da ARCOmadrid, como Vera Cortês, membro do Comité de Seleção do certame, sublinharam a "qualidade e ambição" dos projetos apresentados pelas galerias portuguesas.

Na ARCOmadrid vão participar este ano um total de 200 galerias de 27 países, e a Argentina será o país convidado.

Lusa


  • Troika nem sempre protegeu os mais vulneráveis, conclui avaliação do FMI

    Economia

    O organismo de avaliação independente do FMI concluiu que as medidas aplicadas pela troika em Portugal nem sempre protegeram as pessoas com menos rendimentos, apontando que a primeira preocupação do Fundo era a redução dos défices, apurou o gabinete independente de avaliação do Fundo Monetário Internacional (FMI),

  • "A maioria das pessoas que criticou André Ventura nunca viveu esses problemas"
    3:43

    Opinião

    A polémica em torno das declarações do candidato do PSD à Câmara de Loures, André Ventura, sobre o modo de vida da etnia cigana no concelho, esteve em análise no Jornal da Noite desta segunda-feira. Miguel Sousa Tavares defende que "os problemas existem mas não podem ser generalizados". O comentador SIC considera, ainda assim, que André Ventura tem razão quando diz que "a maioria das pessoas que o criticou nunca viveu esses problemas".

    Miguel Sousa Tavares