sicnot

Perfil

Cultura

Prémio Camões entregue hoje em São Paulo ao escritor brasileiro Raduan Nassar

Facebook

O escritor brasileiro Raduan Nassar recebe esta sexta-feira, em São Paulo, no Brasil, o Prémio Camões do ano de 2016, numa cerimónia a realizar no Museu Lasar Segall, informou o Governo de Brasília.

A cerimónia conta com o ministro brasileiro da Cultura, Roberto Freire, e o Governo de Lisboa estará representado pelo embaixador de Portugal em Brasília, Jorge Cabral.

O ministro português da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, "não poderá estar presente, por razões de agenda", segundo o seu gabinete.

Autor de obras como "Lavoura Arcaica" (1975) e "Um Copo de Cólera" (1978), Raduan Nassar foi distinguido em maio de 2016 com o Prémio Camões, por um júri constituído pelos professores, autores e investigadores Sérgio Alcides do Amaral e Flora Süssekind, pelo Brasil, Paula Morão e Pedro Mexia, por Portugal, e Inocência Mata e Lourenço de Rosário, pelos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa.

Raduan Nassar nasceu em Pindorama, Estado de São Paulo, em 1935, descende de uma família libanesa, estudou Direito e Letras na Universidade de São Paulo, onde acabou por concluir a formação académica em Filosofia.

Hoje, com 81 anos, Raduan Nassar soma perto de três décadas de afastamento dos circuitos literários, quase sem dar entrevistas, com uma bibliografia praticamente inalterada, dedicando-se à vida de fazendeiro.

A obra do autor é curta, mas as edições e traduções, especialmente de "Lavoura Arcaica" e "Um copo de cólera", não param de crescer.

O autor fez parte, no ano passado, da lista inicial (a lista longa) do Man Booker International Prize, com a tradução inglesa de "Um Copo de Cólera".

Em Portugal, Raduan Nassar foi publicado apenas em 1998, quase 20 anos após a edição original de "Um copo de cólera", quando a obra surgiu no catálogo da Relógio d'Água.

Seguir-se-ia, na mesma editora, um ano depois, "Lavoura Arcaica", o romance de estreia do escritor (1975), com um estudo da professora Sabrina Sedlmayer.

Em 2000, a coletânea de contos "Menina a caminho" foi publicada pela editora Livros Cotovia, que, em 2003, recuperaria o escritor para a antologia "Fotografia de grupo", de vários autores.

A obra completa de Raduan Nassar, porém, só ficou disponível em Portugal este mês, com a publicação, pela Companhia das Letras, de uma edição alargada de "Menina a Caminho", com três contos inéditos do escritor brasileiro entretanto descobertos.

A chancela brasileira, que entrou recentemente no mercado português, lançou, logo após a atribuição do Prémio Camões ao autor, a novela "Um Copo de Cólera", seguido do romance "Lavoura Arcaica".

A nova edição de "Menina a Caminho" inclui um capítulo designado "Safrinha", que inclui dois contos e um ensaio nunca antes publicados em português.

Os dois contos, que datam do fim da década de 1960, são "O velho", anteriormente só disponível em francês, e "Monsenhores", um inédito.

Quanto ao ensaio, "A corrente do esforço humano", só havia sido publicado na Alemanha, em 1987.Ao longo da carreira de Nassar, multiplicaram-se os prémios à sua obra, e seus os livros foram sendo traduzidos para diferentes línguas, como espanhol, francês, italiano, alemão e inglês.

"Lavoura Arcaica" deu-lhe o prémio de Romance da Academia Brasileira de Letras, logo em 1976, quando da publicação da obra. Recebeu ainda o prémio Ficção para "Um copo de cólera" e o prémio Jabuti Revelação, da Câmara Brasileira do Livro, entre outras distinções.

Com o valor de cem mil euros, repartidos igualmente por Portugal e Brasil, o Prémio Camões é a mais importante distinção literária dos países de língua portuguesa, e celebrou no ano passado a 28.ª edição.

O prémio foi instituído por Portugal e pelo Brasil em 1988, com o objetivo de distinguir uma obra que contribua para a projeção e reconhecimento da língua portuguesa, e foi atribuído pela primeira vez em 1989 ao escritor Miguel Torga (1907-1995).

Em 2015, o Prémio Camões foi entregue à escritora portuguesa Hélia Correia.

Lusa

  • Raduan Nassar vence Prémio Camões 2016

    Cultura

    O brasileiro Raduan Nassar é o vencedor do Prémio Camões 2016. O anúncio foi feito esta segunda-feira numa conferência de imprensa com o secretário de Estado da Cultura, Miguel Honrado. Filho de imigrantes libaneses, Nassar nasceu na região de São Paulo, no Brasil, em 1935. Estreou-se na literatura aos 30 anos com a obra "Lavoura Arcaica". Raduan Nassar tem 80 anos e há mais de três décadas que evita as câmaras, os fotógrafos e as entrevistas. Nos anos 80, abandonou a literatura e tornou-se fazendeiro. Tem livros traduzidos em países como Espanha, França e Alemanha e é considerado um dos maiores estilistas da língua portuguesa.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59