sicnot

Perfil

Cultura

"Deixem o Pimba em Paz" apresentado em junho nos EUA

MANUEL DE ALMEIDA

"Deixem o Pimba em Paz"- com Bruno Nogueira e Manuela Azevedo - vai ser apresentado a 3 de junho em Newark, nos Estados Unidos da América.

O espetáculo - onde se fazem versões de temas conhecidos - vai ser apresentado no Centro de Artes Performativas de New Jersey e insere-se nas celebrações do Dia de Portugal.

"Deixem o Pimba em Paz" já andou em digressão pelo país, foi editado num álbum ao vivo e teve apresentações recentes no Coliseu dos Recreios, com a Orquestra Metropolitana de Lisboa.

  • Ágata no ensaio de "Deixem o Pimba em Paz", que regressa a Lisboa
    2:06

    Cartaz

    "Deixem o Pimba em Paz" é um projeto que encontra arranjos musicais de Jazz e Pop para músicas pimba. Nasceu há um ano e meio, no Teatro São Luiz, onde agora regressa, com a formação original encabeçada por Bruno Nogueira e Manuela Azevedo, acompanhada pela Orquestra Metropolitana de Lisboa. O primeiro ensaio teve na assistência a cantora Ágata, autora de um dos temas que fazem parte do alinhamento do espetáculo.

  • “Deixem o Pimba em Paz” regressa aos palcos
    2:10

    Cultura

    "Deixem o Pimba em Paz" vai voltar aos palcos e segue rumo a Lisboa e ao Porto. O espectáculo com autoria de Bruno Nogueira e Manuela Azevedo explora temas do mundo "pimba" interpretando-os com arranjos de jazz e pop muito pouco prováveis. Para fãs assumidos da música pimba ou admiradores envergonhados, “Deixem o Pimba em Paz” está em cena, no Coliseu dos Recreios quinta-feira e sexta-feira no coliseu do Porto.

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão