sicnot

Perfil

Cultura

Carlos do Carmo leva fado tradicional à Culturgest no sábado

O fadista Carlos do Carmo, com mais de 50 anos de carreira, atua no sábado na Culturgest, em Lisboa, num espetáculo de fado tradicional, anunciou a sala de espétaculos.

O criador de "Por morrer uma andorinha" atua no formato de que mais gosta e que julga "mais adequado a esta sala": "O Carlos do Carmo, com os seus acompanhantes habituais, vem cantar fado tradicional. Tão simples e tão novo. Tão emocionante, tão bom, vai ser", afirma em comunicado Miguel Lobo Antunes, administrador da Culturgest.

Carlos do Carmo, de 77 anos, é acompanhado na guitarra portuguesa por José Manuel Neto, na viola, por Carlos Manuel Proença, na viola baixo, por Marino de Freitas, todos músicos já distinguidos com o Prémio Amália.

No comunicado, Miguel Lobo Antunes revela etapas da amizade que tem com o fadista: "Tenho a sorte de o Carlos do Carmo me beneficiar com a sua amizade; conhecemo-nos a propósito da Europália 91 -- Portugal, um enorme festival que mostrou diversas facetas da cultura portuguesa na Bélgica em 1991, escolhi o Carlos para ir fazer a segunda parte de um concerto de fado".

"Ainda guardo a lembrança da maravilha que foi esse concerto. Quando estive no Centro Cultural de Belém convidei-o a ir ao grande auditório", conta o responsável, referindo que não tinha convidado para atuar na Culturgest "por acanhamento".

"É uma sala pequena. Achava que ele era grande demais para ela", mas num fortuito encontro na noite lisboeta o fadista "à despedida, quase de raspão", afirmou o seu interesse em cantar na Culturgest, enquanto Miguel Lobo Antunes se mantivesse à frente da instituição. Refira-se que Lobo Antunes anunciou que em abril deste ano deixará as atuais funções e se reformará, após mais de uma década à frente da instituição.

Em declarações à agência Lusa, em dezembro do ano passado, o jurista afirmou que pretende sair em abril por razões pessoais, nomeadamente por estar perto dos 70 anos.

"Vou sair da Culturgest em breve, por isso era preciso que o concerto fosse no princípio do ano. Não tinha orçamento. A combinação teria que ser rápida", escreve Miguel Lobo Antunes, desde 2004 na direção da Culturgest.

Carlos do Carmo, filho da fadista Lucília do Carmo (1919-1998) recebeu um Grammy Latino Carreira, em 2014. Do seu repertório constam vários temas assinados por Bocage, Almeida Garrett, Frederico de Brito, Ary dos Santos, Joaquim Pessoa, Manuel Alegre, José Saramago, Vasco Graça Moura, Nuno Júdice, Júlio Pomar, Maria do Rosário Pedreira e compositores como Victorino d'Almeida, Fernando Tordo, Nuno Nazareth Fernandes, Martinho d'Assunção, José Luís Tinoco, Fernando Tordo, Paulo de Carvalho, José Niza e Mário Moniz Pereira, entre outros.

O primeiro disco foi editado em 1963, com o título "Mário Simões e o seu Quarteto apresentando Carlos do Carmo", ao qual se seguiu, em 1964, "Carlos do Carmo com a Orquestra de Joaquim Luís Gomes".

Em 1967, a Casa da Imprensa distinguiu-o com o Prémio Melhor Intérprete e, em 1970, atribuiu-lhe o Prémio Pozal Domingues para o Melhor Disco do Ano, o seu primeiro álbum, "O Fado de Carlos do Carmo", em 1969.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

    Última Hora

  • Revestimento da Torre de Grenfell era tóxico e inflamável
    1:52
  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.