sicnot

Perfil

Cultura

Menina autista é a nova moradora da "Rua Sésamo"

Zach Hyman

A "Rua Sésamo", um dos programas infantis mais populares em todo o mundo, vai contar com uma nova personagem, chamada Júlia, que representa uma menina autista.

A guionista, Christine Ferraro, anunciou a aparição da nova personagem numa entrevista na noite de domingo ao canal norte-americano CBS. O "Monstro das Bolachas" e o "Óscar" terão uma nova amiga, uma menina com cabelo cor-de-laranja que vai chamar-se Júlia.

A nova personagem da "Rua Sésamo" vai fazer a sua estreia nos programas que as cadeias televisivas norte-americanas HBO e PBS vão emitir a partir do início de abril.
"A grande discussão [dentro do programa] desde o princípio foi: 'Como fazemos isto, como falamos de autismo?'", explicou Ferraro ao programa "60 Minutos" da CBS News.

"É complicado porque o autismo não se manifesta de uma única forma, é diferente para cada pessoa", sublinhou a guionista.

A imagem de Júlia já figura nas ilustrações impressas e digitais da série infantil criada nos Estados Unidos, que cumpriu 50 anos de emissão.

Na sua primeira aparição na televisão, Júlia vai mostrar algumas características que são comuns às crianças com autismo, será apresentada a um dos principais personagens, ao "Poupas", mas ignorá-lo-á.

Confundido com a reação da pequena, o "Poupas" vai pensar que a menina não gosta dele, mas outros personagens da série irão rapidamente explicar-lhe que a menina é diferente e faz as coisas de forma distinta.

A intenção dos criadores da série infantil é que o papel de Júlia tenha bastante relevância no programa.

Os diagnósticos de autismo aumentaram de forma constante nos últimos anos nos Estados Unidos, até uma taxa de uma em cada 68 crianças nascidas no país, segundo dados dos Centros para o Controlo e Prevenção de Doenças, citados pelos responsáveis da "Rua Sésamo".

Com Lusa

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.