sicnot

Perfil

Cultura

Festival Nos Alive deste ano está esgotado e vai receber 21 mil estrangeiros

A edição deste do festival Nos Alive, marcada para julho em Oeiras, já está esgotada e contará com 21 mil estrangeiros espectadores, anunciou hoje o promotor Álvaro Covões.

O Alive decorrerá de 06 a 08 de julho no Passeio Marítimo de Algés - com capacidade para cerca de 55 mil pessoas - e conta com artistas como Foo Fighters, Depeche Mode, The Weeknd, Spoon, Phoenix e The XX.

"Chegámos a um bom momento da música", afirmou Álvaro Covões a propósito do evento, sublinhando que houve um tempo em que era difícil atrair espectadores para os festivais de música e hoje é um fator de atração de turismo interno e externo.

O empresário disse que o festival tem um impacto económico no país de 55 milhões de euros, mas acredita que pode ser ainda maior.

"Portugal era conhecido como o país dos 3 'efes' - fado, futebol e Fátima -, mas agora é dos 4 'efes', com os festivais. Estamos a evoluir e a música é um território ganhador", disse.

A propósito da presença de espectadores estrangeiros no festival, o promotor referiu que este ano o Alive espera cerca de 21 mil estrangeiros, um número abaixo dos 32 mil de 2016, o que significa que houve mais portugueses a escolherem o festival.

Este ano, pela primeira vez, o Alive fez uma parceria com o festival madrileno MED Cool e criou um bilhete que dará acesso a um dia nos dois eventos.

O bilhete, com uma tiragem de apenas cem exemplares, será posto à venda na quinta-feira e dará acesso ao dia 06 de julho do festival espanhol e ao dia 07 de julho do NOS Alive.

"A nossa intenção é que em 2018 haja bilhetes conjuntos para os dois países, disse Álvaro Covões.

Lusa


  • "Se Portugal não confia no sistema judicial de Angola não deve fazer negócios com o país"
    18:27

    País

    O julgamento do caso Fizz arrancou esta segunda-feira. Victor Silva, diretor do Jornal de Angola, esteve na Edição da Noite para analisar como estão as relações entre Portugal e Angola, numa altura em que Manuel Vicente viu recusada a transferência do processo para o país angolano. Victor Silva afirmou que a decisão de "separar os processos vai de encontro aos interesses dos dois estados" e vai mais longe ao dizer que se Portugal "não confia no sistema judicial de Angola então não pode fazer negócios com o país".

  • Obras no Estádio do Estoril já começaram

    Desporto

    A Câmara de Cascais emitiu esta segunda-feira um comunicado a informar que já começaram os trabalhos no Estádio do Estoril e que, segundo a autarquia, seguem as recomendações do Laboratório Nacional de Engenharia Civil.

  • Centeno promete avançar com reformas para a zona euro
    1:45

    Economia

    Mário Centeno liderou esta segunda-feira a primeira reunião do Eurogrupo. O ministro das Finanças português prometeu pôr mãos à obra para reformar a zona euro e, sem se comprometer com datas, deixou a porta entreaberta à entrada da Bulgária na zona euro.

  • Será este o "momento mais Ronaldo" de sempre?

    Desporto

    Cristiano Ronaldo é protagonista de mais um momento que corre nas redes sociais. Depois de marcar o sexto golo do Real Madrid frente ao Desportivo da Corunha, o jogador português ficou ferido no rosto e foi obrigado a abandonar o campo. Mas antes, mesmo com a cara ensanguentada, pediu um telemóvel com "espelho" para ver a extensão do corte. Há quem brinque com a situação, dizendo que Ronaldo levou a sua obsessão com a sua imagem a um novo nível, mas há também quem desvalorize a situação.

    SIC

  • O jogador de futebol que se tornou Presidente de um país

    Mundo

    George Weah tomou posse esta segunda-feira como Presidente da Libéria. Foi a segunda vez que o antigo futebolista concorreu ao cargo, depois de em 2005 ser derrotado pela candidata Ellen Johnson-Sirleaf. Foi o primeiro e único futebolista africano a receber uma Bola de Ouro. A história de George Weah também passou por Portugal, onde ficou conhecido pela agressão ao ex-jogador do FC Porto, Jorge Costa, em 1996.

    Ana Rute Carvalho

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC