sicnot

Perfil

Cultura

Ex-agente de Alanis Morissette condenado a seis anos de prisão

Jonathan Todd Schwartz à direita.

Chris Pizzello

Jonathan Todd Schwartz, ex-agente da cantora Alanis Morissette foi condenado a seis anos de prisão por roubo. Schwartz foi acusado de desviar milhões de dólares da cantora e de outros músicos entre 2010 e 2014.

No passado mês de janeiro, o antigo manager declarou-se culpado por falsificação de declarações fiscais e fraude. A sentença final foi dada esta quarta-feira por Dolly M. Gee, uma juíza da Califórnia (EUA).

Durante a audiência em tribunal, a cantora deixou claro que ficou "completamente destruída por causa de Schwartz". Morissette confirmou que o ex-agente lhe roubou quase cinco milhões de dólares (mais de quatro milhões de euros) durante os anos em que geriu a sua carreira.

Alanis Morissette na chegada ao tribunal.

Alanis Morissette na chegada ao tribunal.

Chris Pizzello

Numa carta enviada à revista norte-americana Hollywood Reporter, Schwartz justificou as suas ações dizendo que foram motivadas pelo vício das apostas.

"Independente do tempo que passarei na prisão, cumprirei a pena de uma vida com a culpa", declarou o ex-agente em tribunal.

Schwartz também se declarou culpado por ter desviado milhões de dólares de outra celebridade não identificada e de um atleta.

  • Mário Centeno lidera hoje a primeira reunião do Eurogrupo
    1:56
  • Eleição de Rio "embaraça" PCP e BE
    0:34

    Opinião

    Luís Marques Mendes considera que a eleição de Rui Rio veio criar embaraço ao PCP e Bloco de Esquerda. O comentador da SIC considera que a promessa de que venha a haver pactos de regime entre PS e PSD é motivo de preocupação para os parceiros do Governo.

  • Casal que mantinha filhos acorrentados queria participar num reality show
    3:15
  • Quase 100 atletas testemunharam contra médico Larry Nassar
    1:38

    Desporto

    Quase 100 atletas e antigas ginastas da seleção dos Estados Unidos da América confrontaram esta semana, em tribunal, o médico Larry Nassar, acusado de assédio sexual. Em dezembro, o clínico foi condenado a 60 anos de prisão por um tribunal do Michigan, por posse de pornografia infantil.