sicnot

Perfil

Cultura

Ex-agente de Alanis Morissette condenado a seis anos de prisão

Jonathan Todd Schwartz à direita.

Chris Pizzello

Jonathan Todd Schwartz, ex-agente da cantora Alanis Morissette foi condenado a seis anos de prisão por roubo. Schwartz foi acusado de desviar milhões de dólares da cantora e de outros músicos entre 2010 e 2014.

No passado mês de janeiro, o antigo manager declarou-se culpado por falsificação de declarações fiscais e fraude. A sentença final foi dada esta quarta-feira por Dolly M. Gee, uma juíza da Califórnia (EUA).

Durante a audiência em tribunal, a cantora deixou claro que ficou "completamente destruída por causa de Schwartz". Morissette confirmou que o ex-agente lhe roubou quase cinco milhões de dólares (mais de quatro milhões de euros) durante os anos em que geriu a sua carreira.

Alanis Morissette na chegada ao tribunal.

Alanis Morissette na chegada ao tribunal.

Chris Pizzello

Numa carta enviada à revista norte-americana Hollywood Reporter, Schwartz justificou as suas ações dizendo que foram motivadas pelo vício das apostas.

"Independente do tempo que passarei na prisão, cumprirei a pena de uma vida com a culpa", declarou o ex-agente em tribunal.

Schwartz também se declarou culpado por ter desviado milhões de dólares de outra celebridade não identificada e de um atleta.

  • Autópsia à mulher baleada pela PSP contradiz agentes
    1:28

    País

    A mulher que morreu acidentalmente durante uma perseguição da PSP terá sido baleada no pescoço e o trio terá sido disparado por trás. Entretanto, segundo a imprensa, a PJ ainda não encontrou vestígios do tiroteio, entre os assaltantes do multibanco de Almada e a PSP.

  • Marinha dos EUA considera "absolutamente inaceitável" desenho de um pénis no céu

    Mundo

    Os cidadãos do Condado de Okanogan, em Washington, foram surpreendidos esta quinta-feira com o contorno de um pénis no céu. A imagem resultou de um rasto de condensação deixado por um avião militar norte-americano. A Marinha confirmou que um dos seus pilotos tinha desenhado a figura no ar e defendeu que a situação era "absolutamente inaceitável".