sicnot

Perfil

Cultura

Portugal inaugura hoje seis esculturas de José Pedro Croft

José Pedro Croft em Lisboa, outubro de 2016

Tiago Miranda/ Impresa Publishing

O projeto de Portugal para a Bienal de Arte de Veneza 2017, com seis esculturas criadas pelo artista José Pedro Croft, tem hoje a pré-inauguração, às 17:00, naquela que é uma das maiores montras internacionais de arte contemporânea.

A representação oficial portuguesa é feita através do projeto "Medida Incerta", instalado na Villa Hériot, na Ilha de Giudecca, que abre ao público especializado na quarta-feira e ao público em geral no sábado, dia em que a organização anuncia os prémios da Bienal de Arte de Veneza.Nesta 57.ª Exposição Internacional de Arte - Bienal de Veneza, o projeto de Croft, com curadoria do historiador de arte João Pinharanda, consiste em seis esculturas de grandes dimensões, em vidro, espelho e ferro, que evocam a obra do arquiteto Álvaro Siza Vieira em Veneza.

José Pedro Croft disse à agência Lusa que todo o processo de trabalho e preparação deste projeto foi documentado e será também objeto da exposição apresentada no interior da Villa Hériot, com maquetas, projeção de vídeos e fotografias.

A obra de José Pedro Croft está representada em diversas coleções públicas e privadas, nomeadamente no Banco Central Europeu, em Frankfurt (Alemanha), no Museu Rainha Sofia, em Madrid (Espanha), no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (Brasil) e na Coleção Albertina, em Viena (Áustria).

Em Portugal, está presente nas coleções da Caixa Geral de Depósitos, da Fundação Calouste Gulbenkian e do Museu Berardo, em Lisboa, na coleção António Cachola, no Museu de Arte Contemporânea de Elvas, e na Fundação de Serralves, no Porto, entre outras.

Esta terça-feira às 17:00 (16:00 em Lisboa), na Villa Hériot, Ilha de Giudecca, em Veneza, o ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, e o secretário de Estado da Cultura, Miguel Honrado, vão estar presentes na pré-abertura do Pavilhão de Portugal na 57.ª Exposição Internacional de Arte.

Lusa

  • Dono de submarino é o único suspeito da morte de jornalista sueca
    1:51

    Mundo

    A polícia dinamarquesa confirmou que o corpo decapitado encontrado junto ao mar, perto de Copenhaga, é o da jornalista sueca desaparecida há mais de 10 dias. Kim Wall estava a fazer uma reportagem sobre um submarino artesanal com o criador, que é agora o principal suspeito do crime. Parte do corpo foi encontrada na segunda-feira e identificada através de exames de ADN.