sicnot

Perfil

Cultura

Pedro Almodóvar diz que filmes premiados em Cannes devem estrear-se em sala

Juan Medina

Os filmes premiados no Festival de Cinema de Cannes (França) devem estrear-se numa sala de cinema, defendeu esta quarta-feira o presidente do júri, o realizador Pedro Almodóvar, a propósito de uma polémica com a plataforma Netflix.

Na conferência de imprensa com o júri do festival, horas antes da abertura oficial da 70.ª edição, Pedro Almodóvar afirmou que "seria um enorme paradoxo que [os filmes distinguidos com] a Palma de Ouro ou qualquer outro prémio não pudessem ser vistos em sala".

Em causa está a presença, pela primeira vez e na competição oficial, dos filmes "Okja", de Bong Joon Ho, e "The Meyerowitz Stories", de Noah Baumbach, produzidos e financiados pela Netflix e que só se estrearão nesta plataforma de exibição pela Internet e em países selecionados.

A Federação Nacional dos Cinemas Franceses criticou Cannes pela escolha destes dois filmes porque não os vai poder estrear em sala e o festival já anunciou que vai mudar as regras para 2018: só poderão competir filmes que tenham garantia de estreia comercial em sala em França.

A plataforma Netflix ripostou, dizendo que os festivais têm de mudar, porque os canais de distribuição e os espectadores também mudaram.

Esta quarta-feira, a polémica acabou por ser abordada pelo presidente do júri, o cineasta espanhol Pedro Almodóvar, que defendeu a experiência de ver cinema dentro de uma sala de cinema e não num computador, ressalvando que nada tem contra as mudanças que têm surgido com o desenvolvimento da tecnologia.

"Para mim a solução é simples. As novas plataformas devem assumir e aceitar as regras do jogo já existentes, o que implica respeitar os diferentes formatos de exibição, e as regras financeiras e fiscais", disse o realizador, numa mensagem lida aos jornalistas.

A propósito desta polémica, o ator norte-americano Will Smith, que também integra o júri do festival, disse numa entrevista ao Canal Plus que é possível uma coexistência entre exibição de cinema pela Internet e no circuito tradicional da sala de cinema e deu como exemplo os hábitos de consumo dos filhos.

"A Netflix não tem qualquer efeito sobre o que eles decidem ver numa sala de cinema. São dois tipos diferentes de entretenimento. Com a Netflix têm a vantagem de poder ver filmes que de outra forma nunca veriam, traz-lhes uma grande conectividdade com o resto do mundo", disse.

A 70.ª edição do Festival de Cinema de Cannes arranca esta quarta-feira com a exibição do filme "Les fantômes d'Ismael", de Arnaud Desplechin.

Lusa

  • Constitucional chumba algumas normas da lei de barrigas de aluguer

    País

    O Tribunal Constitucional chumbou algumas normas do acórdão sobre as barrigas de aluguer. De acordo com o Expresso, a decisão já foi comunicada à Assembleia da República. A obrigatoriedade da regulamentação da lei ser feita pelo Parlamento e não pelo Governo terá sido unânime.

  • Marcelo já sabia da substituição do embaixador de Angola
    4:00

    País

    O Presidente da República sabia há bastante tempo da substituição do embaixador de Angola em Lisboa e já tinha aprovado o nome do futuro representante de Luanda. A revelação foi feita, esta terça-feira, por Marcelo Rebelo de Sousa, numa conversa exclusiva com a SIC no Palácio de Belém. O Presidente contou ainda que não vai enviar recados ao Governo nem aos partidos no discurso de 25 abril que vai fazer na Assembleia da República.

    Exclusivo SIC

  • A história do bebé que continua a lutar pela vida depois do tribunal ter desligado as máquinas

    Mundo

    Alfie Evans sofre de uma doença cerebral degenerativa. A sua condição levou o caso à justiça e, depois de uma batalha judicial entre os pais e o hospital, os juízes determinaram que as máquinas do suporte artificial de vida fossem desligadas. Apesar de os aparelhos terem sido desligados na segunda-feira à noite, segundo os pais, a criança de 23 meses continua a lutar pela vida, respirando sozinha.

    SIC

  • O vestido de noiva de Megan Markle
    1:17
  • O recado de Donald Trump à Coreia do Norte 

    Mundo

    O Presidente norte-americano, Donald Trump, exortou Pyongyang a eliminar todo o seu arsenal nuclear, precisando o que queria dizer exatamente ao apelar para a "desnuclearização" do regime totalitário, antes de uma aguardada cimeira com o líder norte-coreano.

  • Pato em excesso de velocidade faz disparar radar numa estrada suíça
    1:31