sicnot

Perfil

Cultura

Pedro Almodóvar diz que filmes premiados em Cannes devem estrear-se em sala

Juan Medina

Os filmes premiados no Festival de Cinema de Cannes (França) devem estrear-se numa sala de cinema, defendeu esta quarta-feira o presidente do júri, o realizador Pedro Almodóvar, a propósito de uma polémica com a plataforma Netflix.

Na conferência de imprensa com o júri do festival, horas antes da abertura oficial da 70.ª edição, Pedro Almodóvar afirmou que "seria um enorme paradoxo que [os filmes distinguidos com] a Palma de Ouro ou qualquer outro prémio não pudessem ser vistos em sala".

Em causa está a presença, pela primeira vez e na competição oficial, dos filmes "Okja", de Bong Joon Ho, e "The Meyerowitz Stories", de Noah Baumbach, produzidos e financiados pela Netflix e que só se estrearão nesta plataforma de exibição pela Internet e em países selecionados.

A Federação Nacional dos Cinemas Franceses criticou Cannes pela escolha destes dois filmes porque não os vai poder estrear em sala e o festival já anunciou que vai mudar as regras para 2018: só poderão competir filmes que tenham garantia de estreia comercial em sala em França.

A plataforma Netflix ripostou, dizendo que os festivais têm de mudar, porque os canais de distribuição e os espectadores também mudaram.

Esta quarta-feira, a polémica acabou por ser abordada pelo presidente do júri, o cineasta espanhol Pedro Almodóvar, que defendeu a experiência de ver cinema dentro de uma sala de cinema e não num computador, ressalvando que nada tem contra as mudanças que têm surgido com o desenvolvimento da tecnologia.

"Para mim a solução é simples. As novas plataformas devem assumir e aceitar as regras do jogo já existentes, o que implica respeitar os diferentes formatos de exibição, e as regras financeiras e fiscais", disse o realizador, numa mensagem lida aos jornalistas.

A propósito desta polémica, o ator norte-americano Will Smith, que também integra o júri do festival, disse numa entrevista ao Canal Plus que é possível uma coexistência entre exibição de cinema pela Internet e no circuito tradicional da sala de cinema e deu como exemplo os hábitos de consumo dos filhos.

"A Netflix não tem qualquer efeito sobre o que eles decidem ver numa sala de cinema. São dois tipos diferentes de entretenimento. Com a Netflix têm a vantagem de poder ver filmes que de outra forma nunca veriam, traz-lhes uma grande conectividdade com o resto do mundo", disse.

A 70.ª edição do Festival de Cinema de Cannes arranca esta quarta-feira com a exibição do filme "Les fantômes d'Ismael", de Arnaud Desplechin.

Lusa

  • "O PSD é o centro das atenções da campanha e fico contente com isso"
    1:03
  • "O Brasil não parou e não vai parar"
    1:33
  • Trump empurra líder do Montenegro para ficar à frente na fotografia

    Mundo

    A reunião de líderes dos Estados-membros da NATO, que decorreu esta quinta-feira em Bruxelas, na Bélgica, ficou marcada por um momento insólito em que o Presidente norte-americano não quis abdicar de ficar no melhor plano possível nas fotografias de grupo. Nem que para isso tenha sido necessário empurar o líder de outro país.

  • O humor de John Kerry nas críticas a Trump
    0:40

    Mundo

    John Kerry criticou as ligações de Donald Trump com a Rússia durante um discurso de abertura, na Universidade de Harvard. O ex-secretário de Estado norte-americano disse, em tom de brincadeira, que se os jovens querem vingar na política, devem primeiro aprender a falar russo.

  • O papel da religião no quotidiano
    24:57
  • Marcelo na peregrinação de Nossa Senhora de Fátima no Luxemburgo

    Mundo

    O Presidente da República participou esta quinta-feira, a título privado, na peregrinação em honra de Nossa Senhora de Fátima, na cidade luxemburguesa de Wiltz. Milhares de portugueses receberam Marcelo Rebelo de Sousa, que assistiu à missa e, durante alguns minutos, participou na procissão.

  • Cão interrompe jornal em direto
    1:00