sicnot

Perfil

Cultura

Fernando Pessoa ganha dois programas de rádio

A estreia de um documentário radiofónico, na Casa Fernando Pessoa, com episódios da vida do escritor, e de um programa de rádio online, sobre o universo do poeta, destacam-se na terça-feira, dia de aniversário do autor de "Mensagem".

A Casa Fernando Pessoa, em Lisboa, celebra os 129 anos do nascimento do escritor, na terça-feira, com a estreia do documentário radiofónico "Não sei o que o amanhã trará: um passeio sonoro na Lisboa de Fernando Pessoa", de Sofia Saldanha, que recorda a vida do poeta, a época em que viveu e a sua obra, no âmbito da jornada "No tempo em que festejavam o dia dos meus anos", de acordo com o comunicado da instituição.

No dia 13 de junho, realizar-se-á também a primeira emissão de "Fernando Pessoa Para Todas as Pessoas", na Rádio Movimento PT Online, programa de Ricardo Belo Morais, responsável pelo projeto de divulgação pessoana "O Meu Pessoa" e orientador de visitas guiadas, em Lisboa, ligadas à temática pessoana.

O documentário "Não sei o que o amanhã trará: um passeio sonoro na Lisboa de Fernando Pessoa", de Sofia Saldanha, será apresentado a partir das 18:30, na Casa Fernando Pessoa, numa conversa com o jornalista Adelino Gomes, nome associado há décadas à reportagem radiofónica, em Portugal.

O trabalho entra "pela porta da rua Coelho da Rocha", sede da Casa Fernando Pessoa, onde o escritor viveu os últimos 15 anos, e reúne "histórias inéditas, contadas a várias vozes, numa sessão [que tem por objetivo] voltar ao tempo em que a telefonia reunia as pessoas apenas para ouvir", lê-se no comunicado.

Uma das vozes do documentário é a de Manuela Nogueira, sobrinha do poeta, que recorda D. Irene, a lavandeira: "Entrava pela porta da rua Coelho Rocha, e vinha com um saco de pano-cru debruado com um fitilho vermelho, com um F e um P: Fernando Pessoa".

O documentário divide-se em 13 segmentos - ou estações -, numa montagem de conversas tidas ao longo de quase três anos, pela realizadora, com vários especialistas pessoanos, revelando "episódios da vida do escritor" e que "tem por base um percurso em Lisboa, real ou metafísico".

Além de Adelino Gomes e da autora, a sessão, de entrada livre, contará ainda com alguns dos participantes no documentário, entre os quais os investigadores pessoanos Teresa Rita Lopes, Manuela Parreira da Silva e José Barreto, além dos sobrinhos do poeta Manuela Nogueira e Luís Miguel Rosa Dias.

No mesmo dia estreia-se o programa radiofónico "Fernando Pessoa Para Todas as Pessoas", que prolonga o livro homónimo de Ricardo Belo de Morais. O programa passa a estar disponível 'online' todas as semanas, de acordo com o comunicado da Rádio MovimentoPT, divulgado esta segunda-feira.

A primeira edição de "Fernando Pessoa Para Todas as Pessoas" terá, excecionalmente, a duração de duas horas e meia, entre as 21:30 e as 24:00 de terça-feira, e falará de Fernando Pessoa, na Música Portuguesa.

Amélia Muge, Ana Maria Pinto, Fernando Ribeiro, João Afonso, Mafalda Veiga, Rogério Godinho, Samuel Lopes e Sofia Vitória são alguns dos nomes anunciados para a primeira emissão.

O programa "Fernando Pessoa Para Todas as Pessoas" será apresentado às terças-feiras, das 19:00 às 20:00, e abrirá com um noticiário da atualidade pessoana, seguido da apresentação do tema da semana, sempre em torno de Pessoa e da sua cidade, tendo como convidados investigadores literários, autores, editores e familiares de Fernando Pessoa.

Ricardo Belo de Morais também é colaborador da Casa Fernando Pessoa e da revista Pessoa Plural.

Lusa

  • Que arde sem se ver: Álvaro Campos
    14:44

    Que arde sem se ver

    Roubamos as palavras de Luís de Camões para dar nome a uma rubrica semanal de poesia no facebook da SIC Notícias, e também aqui no site da SIC, onde as rubricas ficarão disponíveis. A cada quarta-feira, um poeta português, apresentado e lido pela jornalista da SIC Raquel Marinho. Na primeira semana, começamos com Fernando Pessoa, mais exatamente o heterónimo Álvaro de Campos. 

  • Caixa multibanco assaltada em Portugal a cada dois dias
    2:43

    País

    O semanário Expresso conta que a mulher que morreu vítima de um disparo de agentes da PSP foi atingida pelas costas. O caso está a ser investigado pela PJ, que procura encaixar as peças da noite que acabou com uma morte inocente mas que começou com uma perseguição a um grupo de assaltantes de um multibanco. Assaltos que são cada vez mais comuns e que preocupam o Governo. A cada dois dias, uma caixa é assaltada.