sicnot

Perfil

Cultura

Lisboa em lugar de destaque no novo Observatório das Cidades Culturais da UE

ANTONIO COTRIM / LUSA

Lisboa surge em lugar de destaque no novo "Observatório das Cidades Culturais e Criativas", ferramenta apresentada esta quinta-feira pela Comissão Europeia, que elege a capital portuguesa como a cidade europeia da sua dimensão com mais "dinamismo cultural".

Desenvolvido pelo serviço científico interno da Comissão Europeia (o Centro Comum de Investigação), o Observatório das Cidades Culturais e Criativas fornece dados comparáveis sobre os resultados que as cidades europeias obtêm em nove dimensões - abrangendo a cultura e a criatividade - e realça o quanto esse desempenho contribui para o desenvolvimento social e para o crescimento económico e a criação de empregos.

O objetivo desta nova ferramenta, que nesta sua primeira edição abrange 168 cidades em 30 países (UE mais Noruega e Suíça), é "ajudar os decisores políticos, bem como os setores culturais e criativos, a identificar localmente os pontos fortes e os domínios a melhorar e a aprender com cidades que são comparáveis".

De Portugal foram selecionadas quatro cidades: três antigas capitais europeias da Cultura, Lisboa, Porto e Guimarães, e uma cidade que já tenha acolhido pelo menos dois festivais culturais internacionais, no caso, Coimbra.

A ferramenta, que será atualizada a cada dois anos, foi construída em torno de três principais índices, designadamente "dinamismo cultural", "economia criativa" e "ambiente propício", organizados em nove dimensões e medidos por meio de 29 indicadores, que vão desde o número de museus e de salas de concertos, ao emprego nos setores culturais e criativos.

O "dinamismo cultural" mede a vitalidade cultural de uma cidade à luz das infraestruturas culturais e da participação na cultura; a "economia criativa" reflete a forma como os setores culturais e criativos contribuem para a vertente do emprego, a criação de postos de trabalho e a capacidade de inovação; e o "ambiente propício" identifica os ativos corpóreos e incorpóreos que ajudam as cidades a atrair talentos criativos e a estimular o empenho cultural.

Enquanto Porto, Coimbra e Guimarães alcançam os seus melhores resultados no domínio da "economia criativa", Lisboa tem a nota mais elevada no campo do "dinamismo cultural", onde é mesmo considerada "número 1" entre as (34) cidades classificadas como "XL" em termos de população, à frente de Copenhaga, Dublin, Amesterdão e Estocolmo.Nas cidades "XXL", a primeira classificada a nível de "economia criativa" é Paris, seguida de Praga, Milão, Viena e Barcelona.

O Observatório destaca que, desde 1994, quando foi Capital Europeia da Cultura, Lisboa acolheu diversos eventos (como a Expo'98 e o Euro2004), que levaram ao grande desenvolvimento de atividades e infraestruturas culturais.

O Porto surge no 13.º posto no grupo de 64 cidades "pequenas e médias", a nível de economia criativa, sobretudo graças ao 3.º posto na categoria de Novos Empregos em Setores Criativos, enquanto Coimbra é 15.ª e Guimarães a 32.ª.

O relatório faz um exercício sobre aquela que seria "a cidade cultural e criativa ideal na Europa", resultante da amálgama das cidades com melhor desempenho em cada indicador. "Essa cidade teria as infraestruturas e instalações culturais de Cork (Irlanda), a participação e a atratividade culturais e os empregos criativos e baseados no conhecimento de Paris (França), a propriedade intelectual e a inovação de Eindhoven (Holanda), os novos empregos em setores criativos de Umeå (Suécia), o capital humano e a educação de Lovaina (Bélgica), a abertura, a tolerância e a confiança de Glasgow (Reino Unido), as conexões locais e internacionais de Utreque (Países Baixos) e a qualidade da governação de Copenhaga (Dinamarca)", aponta.

"O meu objetivo é colocar a cultura e a criatividade no cerne da agenda política europeia. Numa altura de grandes transformações sociais e de acesa concorrência global entre as cidades, temos de olhar para além das fontes tradicionais de crescimento e de bem-estar socioeconómico e explorar o papel da cultura nas cidades dinâmicas, inovadoras e plurais", comentou o comissário europeu da Cultura, Tibor Navracsics.

Lusa

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Dono de fábrica que ardeu na Anadia diz que produção não vai ser afetada
    2:04
  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Tragédia em Vila Nova da Rainha aconteceu há uma semana
    7:18
  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52