sicnot

Perfil

Cultura

Segurança reforçada e sprints no recinto na abertura do Festival NOS Alive

ANT\303\223NIO COTRIM

Cerca de quarenta agentes policiais estão esta quinta-feira a passar a pente fino a entrada de espetadores no festival NOS Alive, no Passeio Marítimo de Algés, que abriu portas pouco depois das 15:00.

Algumas centenas de espetadores concentravam-se junto ao pórtico de entrada no recinto, aguardando o habitual controlo de segurança, este ano com regras mais explícitas e apertadas.

Mochilas, bolsas, malas são abertas e revistas pelos agentes e são retirados os objetos que não são autorizados no recinto. Só depois os espetadores seguem para um segundo ponto de controlo do bilhete ou passe de entrada no festival.

As primeiras pessoas que passaram os dois controlos de segurança entraram no recinto a correr, rumo ao palco principal, onde as atuações começam às 18:00. Pelo caminho, os seguranças pediam-lhes, em vão, que não corressem.

No Passeio Marítimo de Algés, entre esta quinta-feira e sábado, são esperadas cerca de 55 mil pessoas por dia. O festival, que está esgotado há quase três meses, conta com mais de uma centena de concertos e atuações repartidos por sete palcos.

Bárbara, de 18 anos, contou à Lusa que viajou de Matosinhos só para ver Alt-J e The Weeknd. Esteve cerca de quatro horas à espera para ser das primeiras a entrar. Disse que estava a par de todas as medidas de segurança e acha normal.

Rita e Filipa, de Sintra, quiseram chegar cedo para "explorar o recinto e ter lugar garantido à frente", contaram à Lusa. Vieram com malas pequenas e "apenas o básico", e elogiam o controlo de segurança. "Estávamos preparadas e achamos muito bem tendo em conta a onda de terrorismo na Europa", disse Rita.

De Londres, Anthon e Beth decidiram ir ao festival durante umas férias que estão a fazer no Porto e em Lisboa, e aproveitam para ver Alt-J, Blossoms e The XX. Desvalorizaram as questões de segurança referindo que foi bastante rápida a entrada no recinto.

Os primeiros espetadores a entrarem a correr foram filmados e fotografados por quem já estava dentro do recinto a trabalhar, havendo quem gritasse em modo de incentivo "Vai Obikwelu!".

Carolina, de 19 anos, foi a primeira a entrar no recinto, mas não para guardar um lugar na primeira fila do palco principal.

"Já somos velhas, já experimentámos a primeira fila e é muito desconfortável, ainda por cima somos pequenas. Descobrimos outro lugar onde vemos muito melhor e não estamos apertadas", contou à Lusa enquanto passeava pelo recinto na companhia de uma amiga.

Apesar de não querer guardar lugar na primeira fila, chegou ao festival às 13:00, duas horas antes da abertura. "Percebemos que hoje vinha muita gente por causa de The Weeknd e decidimos vir cedo", disse.

Segundos depois de Carolina, entrou Margarida, de 15 anos, que a Lusa foi encontrar na primeira fila do palco principal, na companhia do amigo Pedro, de 16 anos. "Quero muito ver o The Weeknd. Faço qualquer coisa [para isso]", disse.

Para Margarida e Pedro esta é a primeira vez num festival de música, e estão no Alive só esta quinta-feira, para às 00:50 verem The Weeknd.

Até lá vão precisar de "muita calma e muita água". "Não vale a pena estarmos a enervar-nos", referiu Pedro, lamentando que haja pessoas "que tentam passar à frente".

Lusa

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15