sicnot

Perfil

Cultura

Teatro D. Maria II regressa ao Festival de Avignon para fazer a estreia de "Sopro"

teatro nacional d.maria II / facebook

"Sopro", protagonizada por Cristina Vidal, uma mulher que trabalha como ponto no Teatro Nacional D. Maria II (TNDM) há mais de 25 anos, estreia-se na sexta-feira, no Festival de Avignon, em França.

Da autoria de Tiago Rodrigues, trata-se da primeira estreia do TNDM no certame e a segunda criação apresentada pelo teatro naquele festival francês, depois de "António e Cleópatra" (2015), também da autoria do diretor artístico do Nacional.

A estreia de "Sopro", pelas 22:00, no Cloître des Carmes, conta com a presença do secretário de Estado da Cultura, Miguel Honrado.

"Sopro" manter-se-á em cartaz até 16 de julho, integrada na programação da 71.ª edição do Festival de Avignon, subindo depois, de 02 a 19 de novembro, ao palco da Sala Garrett do TNDM.

Em março último, quando foi divulgada a estreia desta peça, naquele que é considerado um dos principais festivais de teatro, a nível mundial, Tiago Rodrigues explicou que a ideia de fazer "Sopro" decorreu do facto de se ter confrontado com a existência de dois pontos profissionais - os últimos em Portugal - quando, em 2015, assumiu funções de diretor artístico do D. Maria II.

Por ter trabalhado numa companhia independente, não sabia que utilidade dar-lhes, mas a presença de Cristina Vidal nos ensaios "tem algo da solenidade rigorosa de um samurai da palavra e também da sabedoria de quem já trabalhou com atores de todos os estilos, idades e temperamentos", pelo que rapidamente se tornou "indispensável" para Tiago Rodrigues, observou, na altura, o autor.

"Com ela, aprendi que o ponto não é apenas esse burocrata dos bastidores que obriga à fidelidade do texto, que socorre as falhas de memória ou corrige as adulterações ao original. O ponto é um cúmplice dos atores, nos seus momentos de perfeição e, sobretudo, nos de imperfeição. Conhece-os, adapta-se a eles, aprende a respirar ao mesmo ritmo que eles. O ponto é também um advogado do autor e um conselheiro do encenador", frisou.

O lugar de partida de "Sopro" é assim a imagem de uma mulher nas ruínas de um teatro, onde trabalhou como ponto durante toda a vida.

"Que teatro habita a sua imaginação e a sua memória? Que mundo nos pode dar a ver, usando apenas o seu sopro invisível?", "O que aconteceria se um teatro se desmoronasse e, nos seus escombros, só encontrássemos um sobrevivente: o ponto?" -, eis algumas das questões levantadas na peça.

"No meio dos escombros, ela sopra histórias. Algumas aconteceram em palco e outras nos bastidores, algumas parecem reais e outras ficcionais. Não sabemos quais são o quê. Ela própria, que as sopra, acaba por misturar cenas de peças com cenas da vida real. A sua memória não as distingue", lia-se numa nota do Nacional, de apresentação da obra.

"Sopro" é também uma história de "histórias de amor, de intriga, de trabalho, de política, de vingança, de solidão, de amizade, e todas passadas num teatro", com interpretação de Beatriz Brás, Isabel Abreu, João Pedro Vaz, Sofia Dias e Vitor Roriz.

A cenografia e desenho de luz são de Thomas Walgrave.A peça tem produção conjunta do TNDM, com Festival de Avignon, Théâtre de la Bastille, Le Parvis - Scène Nationale Tarbes Pyrénées, Terres de Paroles - Seine Maritime - Normandie, ExtraPôle Provence-Alpes-Côte d'Azur, em França, e com o Teatro Viriato, em Viseu.

Nesta edição do Festival de Avignon, será ainda apresentada uma outra peça de Tiago Rodrigues, "Tristeza e alegria na vida das girafas", com encenação de Thomas Quillardet, estreada em 2011 no Grande Auditório da Culturgest, em Lisboa.

Lusa

  • "Inferno" no D. Maria II
    2:23

    Cultura

    Até 4 de junho, a peça "Inferno" da Divina Comédia de Dante é interpretada pela companhia "O Bando" e está em cena no Teatro Dona Maria II, em Lisboa.

  • UGT reivindica que salário mínimo ultrapasse os 600€
    0:26

    Economia

    O secretário-geral da UGT reivindica que até 2019 o salário mínimo nacional ultrapasse os 600 euros. Este sábado, num congresso distrital na Guarda, Carlos Silva considerou que o Governo tem condições para ir mais além e voltou a defender que para o próximo ano o patamar mínimo para a negociação deve ser os 585 euros.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.