sicnot

Perfil

Cultura

Antonio Banderas distinguido com o Prémio Nacional de Cinema de Espanha

O ator espanhol Antonio Banderas foi distinguido com o Prémio Nacional de Cinema 2017, de Espanha, informou esta terça-feira o Ministério da Educação, Cultura e Desporto, do Governo de Madrid. Dotado com 30.000 euros, o prémio distingue a carreira de um profissional de cinema, em qualquer uma das vertentes do setor, e é atribuído anualmente pelo Governo espanhol, através do Instituto de Cinema e das Artes Audiovisuales (ICAA).

O prémio foi atribuído a Banderas por "ser um cineasta com uma trajetória extraordinária a nível nacional e internacional, tendo aberto caminho para muitos atores espanhóis".

"O seu compromisso tenaz com o cinema, como ator, realizador e produtor faz com que seja merecedor deste prémio", lê-se na atribuição.

Nascido em Málaga, em 10 de agosto de 1960, Banderas estreou-se em "Labirinto de paixões" (1982), de Pedro Almodóvar, que o transformou num dos seus atores de referência, na década de 1980, em filmes como "Matador" (1986), "A lei do desejo" (1987), "Mulheres à beira de um ataque de nervos" (1988) e "Áta-me" (1989).

Voltariam a encontrar-se mais tarde em "A pele onde eu vivo" (2011) e "Os amantes passageiros" (2013).Na década de 1980, porém, Banderas trabalhou igualmente com outros realizadores espanhóis, como Francesc Betriu ("Réquiem por un campesino español"), José Luis García Sánchez ("La corte de Faraón") ou Fernando Colomo ("Bajarse al moro").

Chegou ao cinema norte-americano em 1992, ao lado de Armand Assante, em "Os reis do mambo", seguindo-se "Filadélfia" (1993), de Jonathan Demme, ao lado de Tom Hanks, filme que lhe abriria definitivamente as portas de Hollywood, e "Entrevista com o vampiro", em que contracena com Brad Pitt e Tom Cruise.

Nos Estados Unidos, protagonizou "De amor e de sombra" (1994), "Desperado" (1995), "Assassinos" (1996), com Sylvester Stallone, e "A máscara de Zorro" (1998), com Anthony Hopkins, entre outros filmes.

Estreou-se na realização com "Loucos em Alabama" (1999), comédia protagonizada por Melanie Griffith, a que se seguiu "O caminho dos ingleses" (2006).

Entre outros prémios recebeu a Medalha de Honra do Ministério da Cultura de Espanha, o Goya de carreira, o Tony, da Broadway, e o Prémio Donostia do Festival de Cinema de San Sebastian.

Soma várias nomeações para os Globos de Ouro, para os Prémios Emmy e para os prémios MTV, entre outras distinções.

Lusa

  • Antonio Banderas recebe prémio "Camino Real" em Madrid

    Cultura

    Antonio Banderas foi homenageado esta quarta-feira pelos Reis de Espanha. O ator espanhol de 56 anos recebeu das mão de Felipe VI o "Galardón Camino Real" que distingue personalidades espanholas que tenham contribuído para difundir a imagem do país na América do Norte.

  • UGT reivindica que salário mínimo ultrapasse os 600€
    0:26

    Economia

    O secretário-geral da UGT reivindica que até 2019 o salário mínimo nacional ultrapasse os 600 euros. Este sábado, num congresso distrital na Guarda, Carlos Silva considerou que o Governo tem condições para ir mais além e voltou a defender que para o próximo ano o patamar mínimo para a negociação deve ser os 585 euros.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.