sicnot

Perfil

Cultura

Berardo comprou coleção de arte africana do artista plástico Eduardo Nery

O colecionador José Berardo comprou a coleção de arte africana do artista plástico Euardo Nery (1938-2013) , composta por cerca de um milhar de peças, entre as quais máscaras, esculturas, cerâmicas, e outros objetos, revelou hoje o empresário à agência Lusa.

De acordo com o colecionador, a aquisição da coleção - na qual estão representadas 153 etnias dos povos africanos subsaarianos - estava a ser negociada com os herdeiros do artista há quatro anos, e foi efetivada esta semana, mas escusou-se a avançar os valores envolvidos na compra.

A coleção é também composta por tecidos, peças de mobiliário e instrumentos de música, destacando-se as máscaras e esculturas dos Camarões, Guiné Bissau, República Democrática do Congo (antigo Zaire), Costa do Marfim, Nigéria ou Guiné.
José Berardo já possui uma vasta coleção de arte africana que está dispersa pelos museus privados na Bacalhoa, em Azeitão, no Underground Museum, na Anadia, ligados ao enoturismo, e na Madeira.

Questionado pela Lusa sobre o futuro da Coleção de Arte Africana de Eduardo Nery, e se tenciona criar um museu exclusivamente dedicado a esta área, em Portugal, Berardo disse que tem "esse projeto muito especial" em mente, e que será concretizado "a seu tempo".

"Tenho um afeto especial por África e pela cultura africana e, por isso, vou adquirindo as coleções de pessoas que dedicaram a sua vida a colecioná-la e a investigá-la, como foi o caso de Eduardo Nery", comentou.

Eduardo Nery colecionou arte africana, não por ter uma ligação especial àquele continente, mas, como explicava nas entrevistas que deu, porque tinha uma "conexão afetiva e espiritual", com as peças africanas, pelo fascínio que aquelas civilizações lhe despertavam.

Nascido na Figueira da Foz, o pintor começou a interessar-se pela cultura africana ainda muito jovem, primeiro através do Jazz, e mais tarde nas visitas aos museus e nos livros, começando a comprar peças por intuição, com um critério muito pessoal, desde o erudito ao popular.

Ao longo de 2009, a Câmara Municipal de Lisboa apresentou, no Pátio da Galé, exposições de alguns dos maiores colecionadores de arte africana em Portugal, como José Berardo, Eduardo Nery e José Guimarães.

Lusa

  • Inglaterra estreia-se com vitória suada frente à Tunísia

    Mundial 2018 / Tunísia

    A seleção inglesa estreou-se no Mundial 2018 com um triunfo sobre a Tunísia por 2-1, com o golo da vitória a ser apontado já para lá do minuto 90. O jogo foi referente à 1.ª jornada do grupo G. Veja aqui os golos e os lances que marcaram o encontro.

  • O melhor golo do 5.º dia de Mundial

    Desporto

    Numa escolha feita pelos jornalistas de desporto e do site da SIC Notícias, mostramos-lhe o melhor golo deste quinto dia de Mundial. Foi apontado por Dries Mertens, na vitória da Bélgica sobre o Panamá por 3-0.

  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Ronaldo no País dos Sovietes: As religiões praticadas na Rússia
    1:55
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC