sicnot

Perfil

Cultura

Justiça norte-americana anula direitos da Universal sobre canções inéditas de Prince

Gary Hershorn

A justiça norte-americana declarou nulo o contrato com que a discográfica Universal adquiriu os direitos das canções não divulgadas do cantor Prince, que morreu em abril de 2016, sem deixar testamento.

A Universal tinha adquirido os direitos das músicas inéditas de Prince aos administradores do património do cantor, que tentaram cancelar o acordo de 31 milhões de dólares, depois de a Warner Bros ter revelado que este entrava em conflito com um contrato assinado com Prince em 2014.

O juiz Kevin Eide, da comarca de Carver County, no Minnesota, declarou nulo o contrato com o grupo Universal, por considerar que os administradores do património de Prince não tinham meios para sustentar uma longa batalha judicial.

"O Tribunal crê que os administradores devem prosseguir de forma cautelosa para preservar o património", escreveu Kevin Eide, acrescentando que a hipótese de "prosseguir para uma litigação longa e potencialmente cara, enquanto se mantinha bloqueados os direitos que fazem parte do património", era problemática.

O juiz disse que tinha permitido aos advogados do grupo Universal ver o acordo assinado com a Warner Bros, que continha uma cláusula de confidencialidade, para tentar resolver o conflito. Os advogados da Universal defenderam que a análise da documentação confirmava que o grupo devia ser liberto do contrato.

Londell McMillan, ex-advogado de Prince e negociador original do contrato com a Universal, tinha-se oposto à anulação, juntamente com três dos seis irmãos do cantor. Segundo McMillan, o contrato com a Warner abrangia apenas a "impressão e distribuição" das obras de Prince, com a comercialização de discos físicos, e não modos de distribuição como o 'streaming'.

Numa declaração conjunta na quinta-feira à noite, a Universal e os administradores da herança de Prince declararam-se satisfeitos com a aprovação do tribunal da "resolução amigável" do assunto.

Lusa

  • Penélope Cruz diz que contos de fadas são muito machistas

    Cultura

    Penélope Cruz revelou recentemente o sentimento de descontentamento com os contos de fadas que, a seu ver, são muito machistas. A atriz de 43 anos confessou que lê as histórias aos filhos, Leonardo de sete anos e Luna de quatro, mas que opta por alterar sempre o final.

    SIC

  • Kurt Cobain homenageado no dia em que faria 51 anos

    Cultura

    No dia em que faria 51 anos, se estivesse vivo, Kurt Cobain foi homenageado pela viúva, Courtney Love, e a filha do casal, Frances Bean. Através de publicações no Instagram, mãe e filha lembraram o fundador, vocalista e guitarrista dos Nirvana, que vai ficar para sempre na história da música.

    SIC

  • Google Maps esconde mansão de Puigdemont na Bélgica

    Mundo

    Depois de fugir de Espanha, Carles Puigdemont refugiou-se na Bélgica para evitar uma possível extradição. O refúgio que encontrou foi uma mansão no município de Waterloo, por 4.400 euros ao mês. Agora, a pedido do ex-presidente do Governo da Catalunha, essa mesma mansão foi "apagada" do Google Maps.

    SIC

  • 50 empresas estão a recrutar na Universidade Católica
    1:46

    Economia

    A Universidade Católica de Lisboa reuniu 50 empresas nacionais e internacionais numa feira de emprego esta terça-feira e amanhã. As empresas procuram novos candidatos para os lugares que têm disponíveis nos departamentos de Economia, Finanças e Gestão.