sicnot

Perfil

Cultura

Meo Marés Vivas arranca hoje com Bastille em destaque

Reuters Staff

Os britânicos Bastille são, hoje, o grande destaque do Festival Marés Vivas, na Praia do Cabedelo, em Gaia, onde vão apresentar o álbum "Wild World", editado em 2016 e de que se destaca o 'single' "Good Grief".

A banda inglesa de Indie Rock e Rock Alternativo, formada em 2010, alcançou enorme sucesso em 2013 com o single "Pompeii" e, desde aí, o seu reconhecimento foi sempre aumentando.

Antes de Bastille, atua o britânico Tom Chaplin.

O vocalista da banda britânica Keane chega ao Marés Vivas sem a banda que lhe deu notoriedade para apresentar o seu primeiro álbum a solo, "The Wave", editado no ano passado e que conta com temas como "Quicksand" e "Hardened Heart".

O lote de artistas que sobe ao palco principal fica completo com os portugueses Diogo Piçarra, que irá interpretar as músicas que têm marcado o seu percurso, como "Tu e Eu", "Dialeto" ou "Entre as Estrelas" e Agir, este último com a responsabilidade de encerrar a noite.

O festival conta, ainda, com outros dois palcos alternativos que hoje se dividem entre as atuações de Marcelinho da Lua ft Mc Angelo B e João Dinis, a partir das 02:30 e, ainda durante a tarde, de Souls of Fire e da banda Quatro e Meia.

Pelo segundo ano consecutivo, o Marés Vivas apresenta um palco de comédia com nomes emergentes e consagrados do humor nacional.

A estrear esse palco na edição de 2017 estão Fábio Pascoal e Ricardo Couto, dois novos nomes da comédia portuguesa e do Norte, que vão abrir o palco para se ouvirem, mais tarde, Joel Santos, às 21:15, e Eduardo Madeira, às 22:15.

A 15.ª edição do Marés Vivas decorre, até domingo, com nomes como Scorpions, Sting, Seu Jorge, Lukas Graham, Miguel Araújo, Mundo Segundo e Joe Sumner.

Lusa

  • Seca contribui para a redução de nutrientes no mar e está a afetar a pesca
    2:11
  • Francisco George toma posse como presidente da Cruz Vermelha Portuguesa

    País

    O ex-diretor-geral da Saúde, Francisco George toma hoje posse como presidente da Cruz Vermelha Portuguesa. Em entrevista à Lusa, manifestou a intenção de criar uma unidade para abastecimento de água potável e redução dos problemas de saneamento em catástrofes como os incêndios deste verão. Além disso, em nome da transparência, vai tornar públicas as contas do organização, incluindo os donativos.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44