Cultura

DocLisboa'17 com mais de 230 filmes e um novo prémio

O programa do 15.º Festival Internacional de Cinema DocLisboa conta este ano com um novo prémio e um total de 231 filmes, oriundos de 44 países, 17 em competição internacional e 11 na competição portuguesa, foi esta quarta-feira anunciado.

A programação do DocLisboa'17, que decorrerá de 19 a 29 de outubro, foi apresentada esta quarta-feira pelos diretores Cíntia Gil e Davide Oberto, que destacaram uma programação com "20 mil minutos de cinema", que refletem "a diversidade de olhares e de idades dos realizadores, de formas e de propostas políticas e temáticas".

A edição deste ano conta com 44 filmes portugueses, 11 em competição e todos em estreia mundial, exceto "António e Catarina", de Cristina Hanes, em estreia portuguesa, que venceu o prémio de curtas-metragens no Festival de Locarno.Cíntia Gil destacou ainda a participação em competição do filme "Espadim", "uma primeira obra", de Diogo Pereira, e de "Diário das Beiras", de João Canijo e Anabela Moreira, "uma espécie de segunda parte" de "Portugal - Um dia de cada vez", que se estreou em 2015 no DocLisboa.

Davide Oberto destacou um "programa especial muito ligado a Sharon Lockhart" na secção "Riscos", onde a artista norte-americana apresentará o filme "Rudzienko", paralelamente a uma exposição que lhe é dedicada, na secção "Passagens", patente no Museu Berardo, de 10 de outubro a 14 de janeiro, com curadoria de Pedro Lapa, sobre os direitos das crianças - um projecto inspirado pela vida e obra do pediatra polaco Janusz Korczak.

A secção "Riscos" celebra ainda os 20 anos de "Gummo", de Harmony Korine, com a exibição do filme e com uma festa na noite de 27 de outubro.

Na secção "Heart Beat", cuja sessão de abertura será marcada pelo filme "Grace Jones: Bloodlight and Bami", de Sophie Fiennes, haverá dois filmes portugueses em estreia mundial: "Os cantadores de Paris", de Tiago Pereira, e "DIÁLOGOS ou como o Teatro e a Ópera se encontram para contar a Morte de 16 Carmelitas e falar do Medo", de Catarina Neves.

Os diretores do festival sublinharam também a participação de dois filmes portugueses na secção "Da Terra à Lua", um de Anabela Moreira ("A Mim") e outro de Edmundo Cordeiro ("Todas as cartas de Rimbaud").

Uma das novidades deste ano é a criação de um novo prémio, com a Fundação Inatel, intitulado "Prática, Tradição e Património", para o melhor de um conjunto de dez filmes de temática associada a práticas e tradições culturais e ao património imaterial da humanidade, transversal a todas as seções exceto "Retrospetivas" e "Cinema de Urgência".

No que respeita às "Retrospetivas", o DocLisboa apresenta "Uma Outra América - O Singular Cinema do Quebec", uma retrospetiva dedicada à cinematografia do Quebec, numa viagem por mais de meio século de cinema daquela região do Canadá, que existiu com grande força na década de 1960 e que deu origem a cineastas como Jean-Yves Bigras, René Delacroix, Denys Arcand ou Denis Villeneuve.

O Festival apresenta também uma retrospetiva "integral de Vera Chytilova", "uma das artistas fundamentais do cinema checo", em que se recuperou todo o trabalho da realizadora, incluindo trabalhos feitos na escola ou para televisão, disse Cíntia Gil.

A abertura do Festival acontece com o filme "Ramiro", de Manuel Mozos, "uma comédia profundamente tocante" e um "cinema muito inteligente", descreveu a diretora.

A sessão de encerramento do Doclisboa - Festival Internacional de Cinema ficará marcada pela exibição do filme "Era uma vez Brasília", de Adirley Queirós, no dia 28 de outubro.

O DocLisboa decorrerá em várias salas de cinema e terá festas diárias no Bar A Barraca.

Lusa

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • Ora Eça!

    Opinião

    Eça, o meu conterrâneo que se definia como sendo "apenas um pobre homem da Póvoa de Varzim" não haveria de gostar de nada que fosse obrigatório. Durante décadas, Os Maias lá estiveram, quem sabe numa progressista lista pós-revolução, dada a natureza "sexual e incestuosa" da obra. Sai dessa lista agora. Claro que sai. "Ninguém" gostava de "ter de" ler Os Maias.

    Pedro Cruz

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16