Cultura

Costa afirma que Governo fará avaliação do modelo de apoio às artes e admite correções

M\303\201RIO CRUZ

O primeiro-ministro afirmou hoje que o Governo, após a conclusão do atual concurso para o apoio às artes, fará a avaliação do modelo que se encontra em vigor e introduzirá as mudanças que se considerarem necessárias.

António Costa falava aos jornalistas após ter discursado na sessão de abertura do seminário diplomático de cônsules honorários, tendo ao seu lado o ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes.

Interrogado se tinha transmitido ao seu ministro Luís Filipe Castro Mendes os resultados das reuniões que teve em São Bento, ao longo da semana passada, com estruturas representativas de setores que contestam o modelo desenhado pelo Governo para o apoio às artes, António Costa respondeu: "Obviamente que já tinha transmitido ao ministro da Cultura os resultados das reuniões e aquilo que ficou estabelecido".

Sobre o diferendo entre alguns dos setores que contestam o modelo de avaliação em vigor para a atribuição dos apoios, o primeiro-ministro deixou uma nota de abertura em relação a eventuais mudanças.

"Vamos completar este concurso e depois faremos um debate de avaliação deste modelo, com eventual correção em relação àquilo que entender necessário corrigir", declarou.

O representante da estrutura artística Plateia disse na sexta-feira que o primeiro-ministro se comprometeu a "encontrar soluções para corrigir falhas no concurso de apoios às artes", que motivou os protestos dos artistas no início do mês.

Em declarações aos jornalistas, o representante da Plateia - Profissionais Artes Cénicas, Carlos Costa, disse que as estruturas sublinharam a importância de se avançar com "uma política integrada da cultura".

"O primeiro-ministro reconheceu que há uma suborçamentação no apoio à criação artística e uma suborçamentação da cultura em geral", disse o representante daquela associação de profissionais.

O representante do Sindicato dos Trabalhadores de Espetáculos, do Audiovisual e dos Músicos (Cena-STE), André Albuquerque, por seu turno, mostrou-se satisfeito com a reunião, e afirmou: "Não é todos os dias que organizações da cultura são recebidas pelo primeiro-ministro".

"Esperamos agora por atitudes concretas, nomeadamente de legislação, verbas e soluções que tenham a ver com o reconhecimento da necessidade de alterar este modelo", disse André Albuquerque.

"Nesta reunião manifestámos ao primeiro-ministro as nossas preocupações com a situação concreta que estamos a atravessar com o concurso para as artes, mas também com uma situação mais estrutural que tem a ver com o papel que a criação artística tem e deve ter no desenvolvimento do país, e também com o papel que o setor cultural tem de ter nesse mesmo desenvolvimento sustentado", disse Carlos Costa.

Por seu turno, o representante do Cena-STE, disse ter ficado satisfeito com a reunião com António Costa, e sublinhou que agora o que esperam é "atitudes concretas, legislação e financiamento".

Referiu ainda que não lhes pareceu que haja abertura do primeiro-ministro para mais financiamentos para o concurso que está em curso.

Lusa

  • Ministério Público anulou interrogatório a Manuel Pinho
    3:13

    País

    O antigo ministro Manuel Pinho esteve esta manhã no DCIAP para ser interrogado a propósito das relações que manteve com o Grupo Espírito Santo e a EDP nos anos em que esteve no governo. No entanto a diligência ficou sem efeito a pedido do Ministério Público.

  • Três feridos dos incêndios de outubro ainda continuam internados
    1:07

    País

    Continuam internadas três vítimas dos incêndios de outubro do ano passado, entre elas uma menor, de 12 anos, no Hospital Pediátrico de Coimbra. Os outros dois feridos estão no Centro de Reabilitação da Tocha. Nove meses depois, as vítimas dos fogos continuam a ser acompanhadas em consultas de cirurgia plástica, fisioterapia e reabilitação e a nível psicológico em centros de saúde e por equipas de saúde mental comunitária.

  • CP acaba com primeiro rápido da manhã entre Lisboa e Porto

    Economia

    A CP já apresentou as alterações aos horários dos comboios Alfa Pendular e Intercidades a partir do próximo dia 5 de agosto de 2018 (domingo). A nova escala elimina o primeiro Alfa Pendular da manhã por uma nova ligação Intercidades que só sai de Lisboa aproximadamente uma hora depois. Uma medida justificada pela falta de procura mas que surge dias depois de serem denunciados problemas no funcionamento dos Comboios de Portugal.

  • Marcelo confiante na "presidência inspiradora" de Cabo Verde na CPLP
    0:40

    País

    O Presidente da República português mostra-se muito confiante nesta nova fase que se abre à CPLP, com a nova presidência da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) que passa do Brasil para Cabo Verde. À SIC, Marcelo Rebelo de Sousa admitiu que, em Brasília, havia muitas questões pendentes mas agora há "um clima muito positivo entre os membros da CPLP, com maior peso na comunidade mundial".