Desporto

UEFA e Platini continuam a defender arbitragem a cinco 

A UEFA, através do seu presidente, o francês Michel Platini, continua a defender o sistema de arbitragem de futebol a cinco,  em vez da tecnologia, para avaliar a questão das bolas que entram na baliza.

(Reuters)

(Reuters)

© Yves Herman / Reuters

Testada pela primeira vez num Europeu, que termina no domingo em Kiev,  a UEFA considera que a arbitragem a cinco deu resultados globalmente satisfatórios,  apesar do erro verificado no Ucrânia-Inglaterra, que levou o presidente  da FIFA, o suíço Joseph Blatter, a reclamar a assistência vídeo. 

No entanto, e passada a polémica em redor de um lance em que não foi  validado golo à Ucrânia, depois de a bola ter passado claramente a linha  de baliza, a UEFA voltou a defender o sistema a cinco através do seu responsável  pela arbitragem, o italiano Pierluigi Collina. 

"Sinceramente, não sei se um único erro pode mudar tudo o que foi feito  em três anos de trabalho (o sistema funciona há três anos na Liga Europa  e dois na Liga dos Campeões), uma vez que a maioria das decisões foi positiva.  Repito, espero que tudo o que foi feito até aqui seja considerado", disse  um dia depois do encontro entre ucranianos e ingleses. 

Ainda para justificar mais a sua opinião, os responsáveis da UEFA baseiam-se  nos acertos durante o torneio que termina no domingo em Kiev com a final  entre Espanha e Itália, dando como exemplo o Alemanha-Portugal, em que o  árbitro francês Stephane Lannoy não deu como golo um remate do luso-brasileiro  Pepe, em que a bola foi à barra e bateu em cima da linha de golo, acertando  no lance. 

Também o turco Cuneyt Çakir foi referenciado positivamente, no jogo  Itália-República da Irlanda, quando validou um lance em que, após uma cabeçada  do italiano Cassano, a bola passou a linha de golo antes de ser retirada,  e que valeu mesmo agradecimentos por parte do selecionador italiano Cesare  Prandelli a Platini. 

"Como é que se marcam mais golos neste campeonato? Creio que todos sabemos  a resposta: a arbitragem a cinco facilita as coisas. Com os árbitros adicionais,  marcas mais de cabeça, o receio do gendarme (polícia) está lá, não há mais  agarrões da camisola, os jogadores sabem que o árbitro está lá. Já não podem  fazedr falta em todas as alturas", explicou. 

A intervenção de Blatter parece indicar que a tecnologia para a linha  de baliza pode ser adotada na próxima reunião do International Board (organismo  que decide as leis no futebol) na próxima semana, em Zurique, na Suíça.

"A tecnologia da linha de baliza não constitui o problema. O problema  está na chegada da tecnologia, já que depois se falará da tecnologia para  o se foi mão ou não, para os foras de jogo, não terá fim e isso é que me  preocupa", acrescentou Platini.                  

Lusa

  • Ministério Público anulou interrogatório a Manuel Pinho
    3:13

    País

    O antigo ministro Manuel Pinho esteve esta manhã no DCIAP para ser interrogado a propósito das relações que manteve com o Grupo Espírito Santo e a EDP nos anos em que esteve no governo. No entanto a diligência ficou sem efeito a pedido do Ministério Público.

  • Crédito automóvel acelera
    1:05
  • Três feridos dos incêndios de outubro ainda continuam internados
    1:07

    País

    Continuam internadas três vítimas dos incêndios de outubro do ano passado, entre elas uma menor, de 12 anos, no Hospital Pediátrico de Coimbra. Os outros dois feridos estão no Centro de Reabilitação da Tocha. Nove meses depois, as vítimas dos fogos continuam a ser acompanhadas em consultas de cirurgia plástica, fisioterapia e reabilitação e a nível psicológico em centros de saúde e por equipas de saúde mental comunitária.

  • Marcelo confiante na "presidência inspiradora" de Cabo Verde na CPLP
    0:40

    País

    O Presidente da República português mostra-se muito confiante nesta nova fase que se abre à CPLP, com a nova presidência da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) que passa do Brasil para Cabo Verde. À SIC, Marcelo Rebelo de Sousa admitiu que, em Brasília, havia muitas questões pendentes mas agora há "um clima muito positivo entre os membros da CPLP, com maior peso na comunidade mundial".