sicnot

Perfil

Desporto

Ficha clínica de Michael Schumacher foi roubada do hospital 

A ficha clínica de Michael Schumacher foi roubada  do hospital de Grenoble, em França, onde o ex-piloto de Fórmula 1 alemão  esteve internado durante seis meses. 

 Reuters

Reuters

© Alessandro Bianchi / Reuters

Segundo fonte policial citada pela AFP, foi apresentada uma queixa na  semana passada, após a transferência do antigo campeão mundial, de 45 anos,  para um hospital de Lausana, na Suíça.  

A porta-voz de Michael Schumacher, Sabine Kehm, indicou hoje, em comunicado,  que "a compra de tais documentos/dados bem como a sua publicação são interditos". "Os dados da ficha clínica são altamente confidenciais e não podem ser  tornados acessíveis ao público", acrescenta o comunicado, dando conta de  que será apresentada uma queixa-crime sempre cada vez que for publicada  informação constante nos documentos. 

A nota sublinha que "Desde há alguns dias, os documentos/dados, cujo  fornecedor diz tratar-se do dossier médico de Michael Schumacher, estão  a ser propostos a alguns representantes dos media, contra remuneração".

"Não podemos afirmar se esses documentos são autênticos. Mas o facto  é: os documentos são roubados. O roubo foi denunciado. As autoridades encarregadas  dos inquéritos foram acionadas", sublinha. 

Segundo a versão "online" do jornal francês Dauphiné Libéré, os advogados  suíços da família Schumacher também apresentaram queixa, enquanto o alemão  Bild-Zeitung diz que o "vendedor" dos documentos pede 60.000 francos suíços  (48.000 euros) aos jornais aos quais já propôs os documentos. 

Michael Schumacher esteve hospitalizado em Grenoble durante seis meses  após um grave acidente de esqui sofrido em dezembro de 2013, em Meribel,  nos Alpes franceses.  

Na segunda-feira passada, Michael Schumacher deixou o hospital de Grenoble  de forma muito discreta e foi transferido para Lausana. A sua porta-vos  indicou então que o alemão, sete vezes campeão do Mundo de Fórmula 1, já  não estava em coma. 

 

     

Lusa

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Dijsselbloem não comenta hipótese de ser substituído por Mário Centeno
    2:41

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Mário Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas não comenta a sondagem que foi feita ao ministro das Finanças português. Ouvido esta quinta-feira no Parlamento Europeu, o Presidente do Eurogrupo esteve no centro das críticas e reafirmou que não se demite.