sicnot

Perfil

Desporto

Clubes da Liga grega chegam a acordo sobre regras para combater a violência

 Os clubes da liga grega chegaram hoje a acordo sobre as medidas a adotar para combater a violência no futebol, que motivou a suspensão do campeonato do país na semana passada. 

No domingo, antes desse embate da 25.ª jornada da Liga grega, a ida do técnico bicampeão ao comando do FC Porto até uma das balizas, à frente da bancada das claques do Panathinaikos, obrigou à fuga de Vítor Pereira, devido a uma invasão de campo dos adeptos.

No domingo, antes desse embate da 25.ª jornada da Liga grega, a ida do técnico bicampeão ao comando do FC Porto até uma das balizas, à frente da bancada das claques do Panathinaikos, obrigou à fuga de Vítor Pereira, devido a uma invasão de campo dos adeptos.

© Kostas Tsironis / Reuters

Os presidentes dos clubes gregos decidiram implementar a entrada eletrónica, que permite conhecer a identidade do comprador e a sua localização no estádio, colocar câmaras de segurança nos campos e harmonizar as penas disciplinares com as da UEFA. 

As equipas acordaram ainda dar ordem aos árbitros para interromper imediatamente um jogo no caso de invasão de campo por parte dos adeptos. 

A Superliga, a associação dos clubes da primeira divisão, decidiu ainda pedir ao governo grego a ampliação das funções do pessoal de segurança dos clubes à entrada dos estádios. 

"Conseguimos uma decisão unânime. Estamos dispostos a dar um contributo total para que o campeonato termine sem problemas", disse o presidente do Olympiacos, Evángelos Marinakis, depois da reunião da Superliga.

O campeonato grego foi suspenso 'sine die' pelo novo governo devido aos sucessivos episódios de violência nos estádios, depois de um episódio que envolveu o técnico português do Olympiacos, Vítor Pereira. 

A 21 de fevereiro, antes do encontro da da 25.ª jornada da Liga grega entre os rivais Olympiacos e Panathinaikos, Vítor Pereira aproximou-se de uma das balizas, situação que acabou por desencadear a ira dos adeptos da equipa da casa, que de imediato lançaram fumos e tochas para a zona onde estava o técnico.

A situação ainda ficou mais tensa quando a claque forçou a entrada no relvado, ainda antes do início do jogo, levando a que a comitiva do Olympiacos e os jogadores que faziam o aquecimento tenham corrido para o túnel de acesso aos balneários.

 
Lusa
  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Míssil lançado do Iémen intercetado perto de Meca

    Mundo

    Um míssil balístico lançado pelos rebeldes xiitas do Iémen foi intercetado, quinta-feira à noite, perto de Meca, na Arábia Saudita, a um mês da peregrinação muçulmana anual do hajj, anunciou a coligação árabe que intervém no Iémen.