sicnot

Perfil

Desporto

Telma Monteiro quer recuperar bem de lesão para as grandes provas de 2015

A judoca portuguesa Telma Monteiro, que desde segunda-feira divide a liderança do 'ranking' mundial de -57 kg com a francesa Automne Pavia, afirmou hoje querer recuperar bem da lesão no cotovelo para as grandes provas do ano.

© Toru Hanai / Reuters

"Neste momento o importante é recuperar da lesão, que é sempre chata e complica os nossos planos, mas acho que ainda vou a tempo das grandes competições deste ano", disse Telma Monteiro, em declarações à agência Lusa.

À margem de um treino para a corrida solidária Wings for Life, em Lisboa, a judoca do Benfica revelou que, depois de "recuperar bem e estar a 100%", prevê regressar no Masters, em Rabat, a 23 e 24 de maio, "e, eventualmente, um 'Grand Slam'", antes dos Jogos Europeus, entre 12 e 28 de junho.

"Os Jogos Europeus vão ser um grande evento, não estava planeado estar presente. Surgiu essa oportunidade, devido a outras circunstâncias, e acho que se junta o útil ao agradável, num grande evento e a contar como um Campeonato da Europa no judo. Espero estar 100% recuperada e 100% bem para, porque não, chegar ao penta", assumiu Telma Monteiro.

A judoca do Benfica, quatro vezes campeã da Europa, é uma das embaixadoras da corrida portuguesa Wings for Life, agendada para 03 de maio, com partida junto ao pavilhão Rosa Mota, no Porto, e com um percurso pelas cidades de Matosinhos, Vila Nova de Gaia, Espinho, Ovar, Aveiro e Murtosa, mas sem uma distância definida ou uma chegada física.

O vencedor vai voltar a ser encontrado por um carro que funciona como meta, que vai partir 30 minutos depois dos corredores, apanhando-os até ao último homem e à última mulher, que vão ser coroados campeões da Wings for Life World.

Em 2014, entre os 35.397 atletas de 164 nacionalidades, o etíope Lemawork Ketema sagrou-se o campeão, ao percorrer 78,58 quilómetros, em Donautal, na Áustria, enquanto a norueguesa Elise Selvikvag Molvik foi a última atleta a ser apanhada pelo carro-meta, após 54,78 quilómetros, em Stavanger, na Noruega.

António Sousa e Mária Santos venceram a corrida portuguesa Wings for Life, que contou com 478 participantes, ao percorrerem 46,82 e 24,65 quilómetros, respetivamente.

As receitas das inscrições para a corrida, que tem o mote "correr por aqueles que não podem", revertem na totalidade para a Fundação Wings for Life, que financia projetos de investigação sobre a espinal-medula em todo o Mundo. Em 2013, foram angariados mais de três milhões de euros.

"Esta é uma corrida diferente, em que se corre por todos os que não podem e cujas receitas revertem para a investigação para a cura das lesões na espinal medula, pelo que tenho imenso gosto em tentar fazer com que o maior número de pessoas participe", frisou Telma Monteiro.








Lusa
  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.