sicnot

Perfil

Desporto

Federação italiana de futebol tem plano para ajudar Parma a terminar campeonato

A Federação Italiana de Futebol (FIGC) tem um plano para ajudar o Parma a terminar o campeonato, apesar do risco de falência que corre, explicou hoje o presidente da Federação, Carlo Tavecchio.

© Alessandro Bianchi / Reuters

"Temos um plano, já aplicado a alguns clubes da Serie A (primeira divisão), e no domingo o Parma vai jogar", disse Tavecchio, à saída de uma reunião com o presidente da Câmara daquela cidade, Federico Pizzarotti.

A FIGC poderá solicitar ajuda financeira à Liga profissional para auxiliar o Parma, estando prevista uma reunião na sexta-feira na sede da Liga em Milão para debater a situação do clube dos portugueses Varela e Pedro Mendes, que corre o risco de não terminar o campeonato por falta de meios.

No entanto, a FIGC já fez saber que não irá permitir um terceiro adiamento no domingo, na partida contra o Atalanta, da 26.ª jornada da Liga, depois de ter aceitado adiar os dois jogos anteriores do Parma, contra a Udinese e o Génova. 

O presidente da Câmara, Frederico Pizzarotti, estimou que existem 50 por cento de hipóteses de que a partida com a Atalanta venha a disputar-se.

A situação de banca rota do Parma, um clube centenário, que venceu três taças europeias nos anos noventa, poderá ser pronunciada a 19 de março próximo pelo Tribunal de Parma, o que a acontecer será a segunda vez em dez anos, depois do escândalo da Parmalat, antiga empresa proprietária do clube.

O atacante uruguaio Cristian Rodriguez, contratado na janela de transferências de inverno, apesar da dívida, prestou declarações ao canal de televisão BelnSport, qualificando a situação que o clube vive como "inacreditável".

"Os meus colegas não recebem salários há sete meses, é uma vergonha. O mesmo se passa com o treinador e os seus adjuntos, com o cozinheiro e com todos os que trabalham no clube. Se os jogadores têm outros meios para fazer face a essa situação, para os funcionários é muito difícil", rematou o jogador uruguaio. 


Lusa
  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.