sicnot

Perfil

Desporto

Feyenoord considera que lançamento de banana insuflável não foi ato racista

O diretor geral do Feyenoord, Eric Gudde, considerou hoje que o lançamento de uma banana insuflável para o relvado num jogo da Liga Europa de futebol não foi um ato racista.

OLAF KRAAK

O clube holandês, que está a ser alvo de um inquérito da UEFA, refere que "as bananas fazem parte de coreografia dos adeptos, na qual também usam bolas de praia".

Gudde refere ainda que o Feyenoord "é um clube multicultural" e que isso pode ver-se em todas as equipas "desde a formação até à equipa principal".

A UEFA abriu na segunda-feira um inquérito disciplinar na sequência dos incidentes verificados no jogo dos 16 avos de final da Liga Europa entre o Feyenoord e a Roma, em Roterdão.

O caso do clube holandês estará em análise na reunião de 19 de março, devido a "comportamento racista", "arremesso de projéteis e utilização de material pirotécnico" e "organização deficiente".

Em relação à Roma, a UEFA abriu um inquérito devido a "atraso da equipa" e ao jogador sérvio Adem Ljajic, acusado de ter "provocado" os espetadores, num processo que deverá ser analisado já esta quarta-feira.

Na quinta-feira, na segunda mão entre as duas equipas, em Roterdão, o jogo teve que ser interrompido por duas vezes, devido ao arremesso de objetos para o relvado por parte dos adeptos do Feyenoord.

A Roma apurou-se para os oitavos de final da competição, depois de vencer em Roterdão por 2-1 e quando as duas equipas tinham empatado a um golo no jogo da primeira mão.



  • Debate quinzenal com o primeiro-ministro

    País

    A situação económica e financeira foi o tema escolhido pelo Governo, mas a polémica da descida da Taxa Social Única dominará certamente a discussão na Assembleia da República. Veja aqui em direto e participe no Minuto a Minuto Parlamento Global/SIC.

    Direto

  • MIT quer humanos a ajudar máquinas a decidir (quem morre)

    Mundo

    A "Máquina Moral" é uma plataforma online que recolhe a perspetiva humana em decisões que terão de ser tomadas por uma máquina. Por exemplo, quando um carro sem condutor se depara com o dilema do mal menor: em quem acertar - para evitar outros - num acidente de viação.

  • Daesh transforma drones em bombardeiros 

    Daesh

    As estratégias de combate do Daesh têm vindo a sofrer alterações, bem como a capacidade das forças militares iraquianas para confrontar e derrotar o inimigo. De acordo com o responsável do Exército dos EUA Brett Sylvia, comandante militar no Iraque, a tática mais recente desenvolvida pelo Daesh consiste em usar drones de uso comercial em pequenos bombardeiros, capazes de transportar e lançar granadas.