sicnot

Perfil

Desporto

Governo grego autoriza recomeço dos campeonatos de futebol

O governo grego deu esta quarta-feira 'luz verde' ao reinício do campeonato de futebol, embora com jogos à porta fechada, depois de a competição ter sido suspensa no fim de semana passado pela terceira vez devido a atos de violência.

Para já, os encontros irão realizar-se à porta fechada. (Arquivo)

Para já, os encontros irão realizar-se à porta fechada. (Arquivo)

Thanassis Stavrakis / AP

O vice-ministro dos desportos Stavros Kontonis, que deu o aval para que a competição se retome, indicou que a federação, as ligas e os clubes gregos mostraram-se de acordo em tomar medidas contra a violência no futebol, decisão que surge 24 horas depois de um apelo do presidente da 'Superliga', o campeonato grego de futebol, Giorgos Borovilos.

Entre as medidas propostas pela 'Superliga' para combate à violência, e entregues a Stavros Kontonis para aprovação, realce para a entrada em vigor de bilheteiras eletrónicas, a utilização de câmaras de segurança nos estádios e a aplicação de severas sanções aos adeptos causadores de problemas.

As medidas preveem ainda a interdição de entrada nos estádios aos movimentos organizados de adeptos e o direito aos árbitros de interromperem os encontros em situações de lançamento de objetos, lançamento de tochas e invasão de campo.

Os campeonatos gregos já tinham sido suspensos em duas ocasiões na presente temporada. A primeira em setembro, após a morte de um adepto na ilha de Creta durante um jogo da terceira divisão, seguindo-se outra paragem em novembro, na sequência de uma agressão a um árbitro, que teve de ser hospitalizado.

Na base da terceira suspensão está o episódio que envolveu o treinador português Vítor Pereira, atual técnico do Olympicos.

A 21 de fevereiro, antes do encontro da 25.ª jornada da Liga grega entre os rivais Olympiacos e Panathinaikos, Vítor Pereira aproximou-se de uma das balizas, situação que acabou por desencadear a ira dos adeptos da equipa da casa, que, de imediato, lançaram fumos e tochas para a zona onde estava o técnico.

A situação ainda ficou mais tensa quando a claque forçou a entrada no relvado, ainda antes do início do jogo, levando a que a comitiva do Olympiacos e os jogadores que faziam o aquecimento tenham corrido para o túnel de acesso aos balneários.
Lusa
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.