sicnot

Perfil

Desporto

Leonardo Mayer e João Souza jogam a partida mais longa da Taça Davis de ténis

O encontro de ténis disputado hoje entre o argentino Leonardo Mayer e o brasileiro João Souza, em Buenos Aires, que teve a duração de seis horas e 42 minutos, converteu-se no mais longo da história da Taça Davis.

© Marcos Brindicci / Reuters

A emotiva e longa partida, quarta da eliminatória sul-americana da Taça Davis que se disputou em Buenos Aires, sob temperaturas a rondar os 29 graus, terminou favorável ao argentino Leonardo Mayer, por 7-6 (4), 7-6 (5), 5-7, 5-7 e 15-13.

Este registo suplanta as marcas míticas realizadas nos encontros disputados entre o norte-americano John McEnroe e o sueco Mats Wilander, com seis horas e 22 minutos, em 1982, e entre McEnroe e o alemão Boris Becker, com menos um minuto, em 1987.

Na variante de pares, a Taça Davis regista a marca histórica de sete horas e um minuto, que remonta a 2013, numa partida entre os checos Thomas Berdych e Lukas Rosol e os suíços Marco Chiudunelli e Stanislas Wawrinka.

Lusa
  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.