sicnot

Perfil

Desporto

Clubes brasileiros vão perder pontos se tiverem ordenados em atraso

Os clubes brasileiros vão ser castigados com perda de pontos no seu campeonato se os jogadores denunciarem ordenados em atraso, anunciou hoje a Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Clubes brasileiros serão penalizados se tiverem ordenados em atraso.

Clubes brasileiros serão penalizados se tiverem ordenados em atraso.

© Ueslei Marcelino / Reuters

O organismo apenas vai aceitar denuncias dos próprios jogadores, dos seus advogados ou dos sindicatos, segundo o regulamento "jogo limpo laboral", que vai punir com a subtração de três pontos por cada jogo em que perdure a irregularidade.

O jogador afetado poderá denunciar o seu próprio clube se este se atrasar mais de 30 dias no pagamento, mas, até que seja aplicada a sanção, o Tribunal Superior de Justiça Desportiva da CBF vai aguardar 15 dias para que seja regularizada a situação.

Estas acusações podem ser feitas até um mês depois do fim dos campeonatos dos três primeiros escalões do futebol brasileiro, aos quais se aplica este regulamento.

Além de retirar pontos, estão ainda previstas multas e a proibição de realizar novas contratações.

Este regulamento, inspirado num aplicado desde 2012 no campeonato regional de São Paulo, onde todas as denuncias registadas até agora foram resolvidas com acordos entre os clubes e os jogadores, pelo que nunca foram retirados pontos.

O atraso nos salários é recorrente no Brasil e no ano passado pelo menos oito equipas da primeira divisão estiveram um ou mais meses sem regularizar os pagamentos.


Lusa
  • Hasta pública de madeira ardida rendeu 2,85 milhões de euros

    País

    Mais de meia centena de lotes de madeira ardida proveniente de matas nacionais e perímetros florestais geridos pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) foram esta quinta-feira vendidos por 2,85 milhões de euros, numa hasta pública em Viseu.

  • Manifestações de apoio aos pais de Alfie impedidos de o levar para Itália
    3:03

    Mundo

    A justiça britânica rejeitou um novo recurso dos pais do bebé Alfie, que está em estado semivegetativo. O objetivo era levar o menino para Itália, para ser assistido numa unidade pediátrica no Vaticano. Os pais não querem que as máquinas sejam desligadas, mas os médicos defendem que os tratamentos são inúteis.