sicnot

Perfil

Desporto

Petit diz que Paços de Ferreira é o que pratica o melhor futebol a seguir aos 'grandes'

O treinador do Boavista, Petit, elogiou hoje o Paços de Ferreira, próximo adversário dos 'axadrezados' na I Liga Portuguesa, dizendo ser "a equipa que, a seguir aos três grandes, pratica o melhor futebol".

JOS\303\211 COELHO

As duas equipas defrontam-se sexta-feira, às 20:30, em Paços de Ferreira, no arranque da 25.ª jornada, e Petit frisou que os pacenses "têm muita qualidade, têm feito um bom campeonato e têm jogadores muito experientes" e anteviu 

"Vamos respeitá-los, mas também queremos fazer o nosso jogo e o melhor para nós", completou.

O Boavista tem 25 pontos e a permanência, a grande prioridade na época em que a equipa voltou à I Liga, parece estar cada vez mais próxima. "Está próxima cada vez que trabalhamos para conquistar esses pontos", comentou Petit.

"Temos vindo a fazer um bom trabalho, temos 25 pontos, mas ainda faltam muitos jogos. Estamos no último terço do campeonato, em que se decidem muitas coisas, tanto para ser campeão como para os lugares da Europa e de descida. Por isso, temos de continuar a fazer o nosso trabalho e sermos fortes no jogo", salientou.

Os 'ecos' do Boavista- Guimarães (3-1) da última ronda ainda se ouvem, porque os vimaranenses insistem nas suas críticas ao trabalho do árbitro desse jogo, João Capela. "Respeitamos sempre a arbitragem. Ao longo desta época, já tivemos alguns casos e seguimos em frente", referiu Petit.

O treinador 'axadrezado' deu o "exemplo da Madeira", onde o Boavista acabou o jogo com o Marítimo, realizado em 30 de novembro, reduzido também a oito jogadores - tal como sucedeu com o Guimarães no Bessa - e derrotado por 4-0.

Petit preferiu "dar mérito" à sua equipa por, diante do Guimarães, ter virado uma desvantagem de 0-1 para uma vitória por 3-1.

Na primeira volta, o Paços de Ferreira venceu no Bessa por 2-1. Petit é de opinião que "o Boavista tem evoluído, os jogadores têm crescido e estão muito melhor do que nesse jogo da primeira volta".

"Sabemos que vamos defrontar um adversário forte, que em casa costuma criar muitas dificuldades às equipas que vão lá. Sabemos aquilo que vamos apanhar, estamos confiantes e num bom momento", continuou.

O Boavista atual está mais compacto e agressivo", resumiu.

Questionado sobre se o empate já seria um resultado positivo, o técnico boavisteiro respondeu assim: "O nosso objetivo é sempre conquistar pontos, seja um ou três. Mais importante é que a equipa esteja focada porque estamos mais perto do nosso objetivo".

Frente ao Estádio do Bessa, entretanto, alguns sócios, adeptos e membros da claque boavisteira Panteras Negras montaram hoje uma pequena banca com biberões, babetes e chupetas por causa da "enorme choradeira" que, segundo alegaram, se ouve ainda em Guimarães.

O objetivo foi "lembrar que o Boavista já foi prejudicado" esta época.

Um elemento da claque leu à comunicação social uma mensagem manuscrita, referindo que a iniciativa nada tinha ver com a SAD 'axadrezada'. "Fomos postos fora da Taça da Liga por um penalti 'fantasma' e não fizemos este triste espetáculo", afirmou. Lembrou, também, o jogo com o Marítimo, na Madeira, em que o Boavista teve três jogadores expulsos.

"Eles não contavam é que o Boavista jogasse tanto futebol na segunda parte. O Boavista acabou por ganhar muito bem, não ganhou com favores do árbitro. Temos que ser corretos", realçou Manuel do Laço, conhecido adepto 'axadrezado'.


Lusa
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15